Céu lança seu novo álbum “Novela”

Crédito da Foto: Divulgação
Crédito da Foto: Divulgação

Gravado nos EUA, álbum tem produção musical da artista, Pupillo e Adrian Younge

Céu descobriu-se compositora durante uma temporada no Lower East Side, em Nova York. Naquele início dos anos 2000, impactada pela performance das MCs pretas e porto-riquenhas nas ruas do bairro, a intérprete principiante foi tomada de uma liberdade extrema para manifestar-se através da própria música.

Esse destemor está no álbum de estreia, Céu (2005), registro indicado tanto ao Grammy Awards quanto ao Grammy Latino, destaque em diversas paradas de sucesso pelo mundo e na Billboard, tornando-se um dos discos brasileiros mais vendidos na história dos Estados Unidos. Uma intrepidez que segue pautando a singular trajetória transnacional laureda com prêmios renomados e, o não menos importante, reconhecimento do público que se identifica muitíssimo com ela. Em 2023, Céu retornou aos EUA, dessa vez para Costa Oeste, e lá concebeu Novela (Urban Jungle/ONErpm), sexto álbum de canções inéditas da carreira, que chegou às plataformas digitais no dia 26 de abril (ouça aqui).

Gravado no Linear Labs Studio, em Los Angeles, a produção é assinada pela artista paulistana, pelo músico e produtor pernambucano Pupillo – ex-baterista da Nação Zumbi, corresponsável por Tropix (2016) e APKÁ! (2019), ambos de Céu, vencedores de três prêmios Grammy Latino, produtor de Gal Costa e Erasmo Carlos – e pelo multi-instrumentista e arranjador americano Adrian Younge, proprietário do Linear Labs, conhecido por álbuns como Something About April (2011), realizador de projetos com Snoop Dogg, Kendrick Lamar, The Delfonics e Wu Tang Clan, além da codireção na iniciativa multimídia Jazz Is Dead.

PUBLICIDADE

Como de costume nos trabalhos de Adrian, a captação do álbum deu-se ao vivo, sem os aparatos tecnológicos da atualidade. Registrada em tape, numa dinâmica cujo momento presente exige presença total. O modo antigo que remete aos primórdios das gravações de discos formadores de caráter. Curiosamente, uma experiência futurista que, segundo Céu, demanda muita inteligência emocional e nenhuma artificial. “Nada vintage”, garante. Nas dependências do estúdio, a banda foi Pupillo (na percussão, programações e bateria), Younge (nos teclados, guitarra, contrabaixo – em “Reescreve” -, arranjos e condução de cordas e sopros) e Lucas Martins (contrabaixo – em praticamente todas as faixas -, violão, guitarra e coautoria de três dos 12 temas do disco).

Raiou em sua cor de sorte/ Entoa teu mantra e vai/ Cantando/ Viver é para os fortes”, diz a letra de “Raiou”, que abre Novela. A MC e compositora americana, que tem pais brasileiros, LadyBug Mecca, do Digable Planets, divide as vozes com Céu. Em “Gerando na alta” é a vez de Anaiis, cantora e compositora franco-senegalesa, radicada em Londres, na Inglaterra, trocar impressões acerca da sororidade. Loren Oden e Jensine Benitez, cantor e cantora dos EUA, estão em “Into my Novela”, parceria de Céu e Lucas Martins, faixa-título informal do disco, que fala da teledramaturgia do cotidiano, onde não há câmeras de TV registrando atos, tampouco roteiros predefinidos. “Eu sou a protagonista da minha Novela/ So good, yeah baby/ I want to learn how you want me/ To love you”. 

Há outros personagens de relevo na trama. Frankie Reyes, DJ e produtor americano de ascendência porto-riquenha, contribui na harmonia da faixa “Buá Buá”, onde Céu, dona da melodia e da letra, diz: “Chora todas lágrimas que um dia/ Você recusou chorar/ Chora porque reconhece/ Que uma dessas você não vai achar”. Hervé Salters, artista francês, líder do General Elektriks, coprodutor de Tropix, surge em “High na Cachú”, cujos versos de Céu dizem: “Água tão doce gelada me faz renascer/ Enquanto a pedra me chama de volta a sentar/ Retendo todo o calor que guardou do astro rei/ Me aquieto como uma flor a polinizar”. Marcos Valle, carioca patrimônio nacional, assina com a paulistana “Reescreve”, que, ao encerrar a sessão afetuosa, questiona a perspectiva dos colonizadores nos livros didáticos de História do Brasil. “O que estava ali/ Eu nunca fui de acreditar/ Cada página que eu lia/ Era mais sono pra me dar/ Desde os povos que calaram/ A brasa veio queimar/ A verdade vem à tona/ É muito pano pra manga”. Antes, “Corpo e colo”, a única de autoria de terceiros, é resultado do encontro entre Nando Reis e Kleber Lucas. Recentemente, numa rede social, o premiado artista gospel e pastor da Igreja Batista Soul, no Rio, celebrava o fato. “Mais uma belezura chegando. Parceria linda que fiz com meu mano Nando Reis. Recebi agora há pouco uma prévia dele cantando e estou simplesmente em êxtase”, disse.

PUBLICIDADE

Em Novela, despontam tecnologias ancestrais, cura, cremosidade, bolero, estrelas lustradas, ecos da soul music, coisas da terra, rap e sussurros aos guias. Na totalidade do registro, a reafirmação do destemor da autora, comprometida com seu tempo, na complexidade e na beleza da lida criativa. Tendo, desde sempre, a diversidade da música brasileira no horizonte. A seguir, cenas eletrizantes dos próximos capítulos.

Ouça Novela aqui: https://onerpm.link/novelaceu
Assista “Gerando na Alta” aqui: https://youtu.be/cvglSoxOMDU

Informações para imprensa:
Trovoa Comunicação

PUBLICIDADE