Espetáculo “Elogio da Loucura” com Leona Cavalli no Theatro São Pedro

Créditos da Foto: Leona Cavalli
Créditos da Foto: Leona Cavalli

Leona Cavalli volta a Porto Alegre para Curtíssima Temporada no Theatro São Pedro nos dias 23 e 24 de março com o espetáculo “O Elogio da Loucura” de Erasmo de Rotterdam com direção do premiado Eduardo Figueiredo

A atriz Leona Cavalli e o diretor Eduardo Figueiredo, em nova parceria, são responsáveis pela adaptação da obra de Erasmo de Rotterdam, para uma versão teatral inspirada no livro “O Elogio da Loucura”.

Erasmo de Rotterdam, o autor, viveu na idade média e tornou-se um dos maiores escritores, humanistas e teólogos de todos os tempos. A obra, escrita como uma sátira à sociedade dos séc. XV e XVI, tornou-se atemporal e profundamente atual; por apresentar uma nova visão da loucura, expondo as relações de poder na sociedade, na política e na igreja, como espelhos de si mesma.

Ainda hoje vivemos conflitos semelhantes aos de séculos atrás; a hipocrisia e a perda dos valores da vida ainda são recorrentes. Nessa versão para o teatro, a Loucura, interpretada pela atriz Leona Cavalli, se apresenta como personagem, mantendo a ótica, o sarcasmo e a sagacidade do conteúdo original da obra. Como definição gramatical, loucura é insanidade; porém o autor não a representa dessa forma, mas sim como parte da estrutura do nosso mundo; que, como tal, clama por ser reconhecida e aceita.

PUBLICIDADE

Música ao vivo e várias referências da Loucura: nas artes, na história e na sociedade, completam a encenação, repleta de ironia e humor.

Em um momento com tantas adversidades e repleto de inversões de valores éticos, políticos e sociais, um momento onde o homem apresenta sérios sinais de retrocesso e barbárie, a obra de Erasmo de Rotterdam nos apresenta uma importante reflexão sobre civilidade e empatia nos dias atuais”, diz o diretor Eduardo Figueiredo. “Sempre fui apaixonada por esse texto de Erasmo de Rotterdam, inédito no teatro brasileiro, e incrivelmente atual, lúcido e necessário; por identificar a Loucura como parte da condição humana, que, quando integrada, torna-se potência de transformação, arte e liberdade”, diz a atriz Leona Cavalli, que irá interpretar a Loucura.

O espetáculo é pontuado com música ao vivo, transita entre o popular e o erudito, executado pelos talentosos: Rafa Ducelli no Violoncelista e Cika na Percussão.

PUBLICIDADE

SERVIÇO:
O que: “Elogio da Loucura”
Da obra de: Erasmo de Rotterdam
Dramaturgia: Leona Cavalli e Eduardo Figueiredo
Direção: Eduardo Figueiredo
Elenco: Leona Cavalli
Música ao vivo:
Violoncelista – Rafa Ducelli
Percussão – Cika
Gênero: Tragicomédia
Recomendação: 16 anos
Duração: 1h15
Local: THEATRO SÃO PEDRO
Endereço: Praça Mal. Deodoro, S/N – Centro Histórico, Porto Alegre – RS, 90010-300
Telefone: (51) 3227-5100

23 e 24 de março- 02 únicas sessões
Sábado às 20h e Domingo às 18h

Venda de ingressos: http://www.teatrosaopedro.com.br

Valores Ingressos
Galeria – R$ 50,00
Camarote Lateral – R$ 100,00
Camarote Central – R$ 110,00
Plateia e Cadeira Extra- R$ 120,00

Descontos:
50% para associados da AATSP (ingressos limitados)
50% para estudantes, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência (40% da lotação)
50% para idosos
50% para associados do Clube do Assinante ZH (titular e acompanhante)
50% para associados do Programa Aproveita Unimed

Mais informações para o público:
(51) 3227-5100 / 3227-5300 com a equipe do Theatro São Pedro

Sinopse do espetáculo
O espetáculo é inspirado na obra “O Elogio da Loucura” de Erasmo de Rotterdam, um dos principais humanista e teólogo que viveu durante a idade média. Esta obra é uma total sátira a sociedade dos séc. XV e XVI, e apresenta uma nova visão eclesiástica e renovadora da igreja, pois mostra a sociedade como um espelho de si mesma, porém sua obra acabou tornando-se atemporal. Nesta versão para o teatro, a atriz Leona Cavalli interpreta a Loucura, que mantém o seu discurso através da ótica e conteúdo da obra, com ironia e sarcasmo, um reflexo da sociedade de todos os tempos. A loucura, a insanidade mental, não é definida como uma condição humana que podemos adquirir. Erasmo trata a loucura de uma forma externa ao homem, e o homem só será louco se desejar ser. Música ao vivo e várias referências da Loucura: nas artes, na história e na sociedade, completam a encenação repleta de ironia e humor.

Leona Cavalli
Sobre a atriz Leona Cavalli, começou sua carreira com o diretor Zé Celso Martinez Corrêa, com quem fez “Hamlet”, de Shakespeare (indicada como Melhor Atriz APCA por Ophelia), “Bacantes”, de Euripedes e “Cacilda!” do próprio Zé Celso. Ganhou Prêmio Shell por sua atuação como Geni, em “Toda Nudez Será Castigada”, de Nelson Rodrigues, e Prêmio Qualidade Brasil por Blanche Dubois, em “ Um Bonde Chamado Desejo”, de Tennesse Willians; ambas dirigidas por Cibele Forjaz. Foi dirigida por Bibi Ferreira em “Viva o Demiurgo”, e por Paulo Autran, em “Vestir o Pai.” Recentemente fez os grandes sucessos “Frida Y Diego”, de Maria Adelaide Amaral, “Gatão de Meia Idade”, de Miguel Paiva e “Procuro o Homem da Minha Vida, Marido Já Tive”, dirigidos por Eduardo Figueiredo. Acaba de fazer “Fausto” de Marlowe, como Mephisto; dirigida novamente por Ze Celso Martines Correa. No cinema, fez os longas “Um Céu de Estrelas” ( pelo qual ganhou 3 prêmios de Melhor Atriz ) e “Através da Janela”, de Tata Amaral; “Amarelo Manga” de Claudio Assis ( premio Melhor Atriz ); “Cafundó”, de Paulo Betti; “Aparecida”, de Tizuka Yamazaki; “Casa da Mãe Joana 2,”de Hugo Carvana; “Carandiru”, de Hector Babenco; “Olga”, de Jaime Monjardim, entre outros. Esse ano acabou de rodar o ainda inédito “ A Cerca”, de Rogerio Gomes. Também fez diversas novelas da Rede Globo, como “Órfãos da Terra” de Thelma Guedes e Duca Rachid; “Totalmente Demais” de Rosane Svartman e Paulo Halm, “Amor a Vida” e
“Gabriela” de Walcyr Carrasco, “A Vida da Gente” de Licia Manzo, “Negócio da China” de Miguel Falabella, “Duas Caras “de Aguinaldo Silva, “Amazonia” de Gloria Peres ( premio Melhor Atriz ), “Belíssima” de Silvio de Abreu e em 2023 Leona está no ar interpretando a personagem Gladys, na novela da Globo “Terra e Paixão” de Walcyr Carrasco.

Eduardo Figueiredo
É diretor de teatro e mestre em teatro pela USP, encenador de diversos espetáculos e um dos principais produtores do atual teatro brasileiro – sócio da manhas manias projetos culturais. Sócio e curador do Teatro J Safra. Produtor de dezenas de espetáculos em seu currículo. Autor e diretor de “Só os Doentes do Coração Deveriam ser Atores”, com Antonio Petrin e em 2012, repetiu sua parceria em outro solo com o ator em “Ser Ator”, Em 2008 diretor de produção do 7 º FIL – Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens. É idealizador e diretor de um dos maiores fenômenos do teatro brasileiro: “Mulheres Alteradas” adaptação do Best seller de Maitena, em cartaz desde 2010 com elenco de estrelas composto por: Luiza Tomé, Mel Lisboa, Adriane Galisteu, Samara Felippo entre outros. Seus últimos trabalhos, podemos citar: o premiado “Frida Y  Diego” com dramaturgia de Maria Adelaide Amaral, com Leona Cavalli e José  Rubens Chachá. Em 2016, da obra de Goethe, “O Aprendiz de Feiticeiro”,  primeira peça de teatro do premiado novelista Antonio Calmon. Em 2017, a comédia “Gatão de Meia-Idade”, da obra de Miguel Paiva com Oscar Margini e Leona Cavalli no elenco. Em 2018/2019 é diretor do espetáculo ‘Festa, a Comédia” um solo cômico com o ator Maurício Machado dos dramaturgos: Walcyr Carrasco, Alessandro Marson, Heloisa Perisse, Vicent Villari e Daniele Valente segue em turnê. Diretor geral do show inédito “Casos e canções”, que reúne os mais diversos nomes e gerações através da música, com a atriz Eva Wilma e banda. Diretor do premiado espetáculo “Um beijo em Franz Kafka” de Sergio Roveri, com Anderson Di Rizzi e Maurício Machado no elenco. Em 2020, dirige a adaptação do livro “O Elogio da Loucura” um ensaio escrito por Erasmo de Rotterdam em 1509 e publicado em 1511, com Leona Cavalli no elenco. E roteiriza e dirige o espetáculo musical “Toada do Bardo”, inspirado na obra de Shakespeare, com Maurício Machado e grande elenco, com direção musical de Guga Stroeter. Em 2021/ 2022, E espetáculo musical “Toada do Bardo”, inspirado na obra de Shakespeare, com Maurício Machado e grande elenco, com direção musical de Guga Stroeter. E o projeto em homenagem ao centenário de Cacilda Becker “Cacilda, por ela mesma” com Leona Cavalli, Maurício Machado e elenco. “Procuro o homem de minha vida, marido já tive” da autora argentina Daniela Di Segni com grande elenco: Totia Meireles, Grace Gianoukas, Leona Cavalli e Maurício Machado, sucesso de público e crítica. E a adaptação do livro “O Elogio da Loucura” um ensaio escrito por Erasmo de Rotterdam em 1509 e publicado em 1511, com Leona Cavalli interpretando a Loucura, todos com direção de Eduardo Figueiredo. Em 2023, o espetáculo musical infantil “Hoje tem festa no Ceú” de Cintia Alves. Agora em 2024 a estreia de “O Veneno do Teatro”, texto premiado em mais de 62 países do autor catalão Rodolf Sirera, com Osmar Prado e Maurício Machado no elenco. Além do espetáculo infanto – juvenil “Vamos comprar um poeta” do autor português Afonso Cruz e com estreia prevista em Lisboa/ Portugal. E o musical em homenagem ao grande artista plástico francês “Toulouse Lautrec, boemia, amor e arte”, com grande elenco. Para 2025 “O Crime do Padre Amaro”, com adaptação do romance de Eça de Queiroz, por Thelma Guedes para o teatro. Atualmente, a manhas manias – projetos culturais é responsável pela gestão, administração e curadoria artística do Teatro J. Safra em São Paulo há 09 anos. Co –produtores do filme/ O2 filmes– “Mulheres Alteradas” da obra de Maitena, dirigido por Luiz Pinheiro, com: Deborah Secco, Alessandra Negrini, Monica Iozzi e Maria Casadevall, entre outros atores no elenco. Co produtores do projeto – Cine Experience – pioneiro em levar espetáculos de teatro para telas dos cinemas – primeiro espetáculo – “Gatão de Meia Idade” de Miguel Paiva com direção de Eduardo Figueiredo. Premiada cinco vezes com o “Hot Top Comunicação de Marketing”.

Atendimento à Imprensa
Marcelo Filgueiras – [email protected] | [email protected]

PUBLICIDADE