Daniela Mercury se apresenta no Araújo Vianna com a nova turnê “Baiana”

Em novembro, Daniela Mercury chega a Porto Alegre com o espetáculo “Baiana”, seu novo álbum lançado em 2022

A cantora leva ao Araújo Vianna seus grandes sucessos e um show cheio de novidades do novo álbum que exalta sua baianidade e celebra sua carreira. Um grande espetáculo de música e brasilidade! Ingressos à venda na Sympla.

SOBRE A TURNÊ

Durante os momentos mais reclusos da pandemia, Daniela Mercury escreveu um número bastante expressivo de canções. Chegou a fazer cerca de 60, entre músicas completamente acabadas e esboços bem encaminhados. O combustível para a criação das letras variou entre o presente imediato e desolador do isolamento – e nisso estão incluídas as questões sociais e políticas que, em tantos sentidos, fizeram adoecer o nosso país – e um passado bem mais acolhedor, resgatado em memórias da infância e adolescência, uma história vivida com alegria e intensidade em sua cidade natal, Salvador. A partir desse volumoso material, Daniela construiu seu novo álbum, Baiana, que chega agora às plataformas de música com o carimbo de seu
selo, Páginas do Mar.

PUBLICIDADE

Além do repertório autoral, escrito por Daniela sozinha ou com parceiros como Jaguar Andrade, Mikael Mutti, Fernando de Carvalho e Zé Celso Martinez Corrêa, a artista foi em busca de material produzido por jovens autores nordestinos, como o pernambucano Martins, que assina duas canções, e Posada, que, apesar da origem sueca, também foi criado em Pernambuco. Inicialmente, o álbum se chamaria “Samba”, pois boa parte de sua sonoridade partiu de pesquisas feitas por Daniela e sua banda combinando células de bossa nova e samba reggae. E a regravação de “A Felicidade”, clássico de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, é resultado desse encontro entre gêneros. Mas, conceitualmente, a relevância do Nordeste foi se impondo no apanhado de canções.

O mesmo Nordeste que, nas eleições, salvou o Brasil e a democracia. Entre Nordeste e Samba surgiu a imagem da Baiana, unindo isso tudo. “Baiana” (Daniela Mercury), a canção que nomeia o álbum, é um exemplo perfeito de como se cruzam as paisagens da memória e os caminhos do tempo presente na lírica atual da compositora. Sua letra enumera alguns dos bairros populares de Salvador, a vivência da artista em lugares que não viraram cartão postal da cidade. Ela se deu conta de que quase toda a produção recente da música baiana só falava das avenidas do Carnaval, locais onde a música passa. Decidiu então desvincular a paisagem.

Ao mesmo tempo em que faz crônica social e política, escreve sua autobiografia: “Sou urbana/ Da Rua Sem Saída de Brotas/ Do engenho velho dos Galés e Nazaré/ Parada de ônibus na Baixa dos Sapateiros/ Comprei couro e fiz sandália pra Brincar o ano inteiro”. E amarra, em busca da expansão da cidade: “Há tantos novos bairros/ Tantas esquinas pra carnavalizar/ Pra pagodear/ Pra groovar/ Pra inventar um novo movimento”. E a letra segue, grandiosa e sem repetições. Quase toda a produção autoral, aliás, tem agora essa característica: letras longas e sem refrãos, em estruturas formalmente ousadas. Daniela tirou as redundâncias a fim de criar músicas-labirintos, faixas que às vezes ultrapassam os cinco minutos e em que tudo é novo o tempo todo.

PUBLICIDADE

Vai na contramão da música pop atual, sem a preocupação de que esse repertório funcione em cima do trio elétrico nos carnavais. Quis fazer, conforme suas palavras, uma “MPB de rua”. E esse formato épico engrandece os conteúdos políticos de “O Samba Não Pode Esperar” (Daniela Mercury), single lançado antes do primeiro turno das eleições presidenciais, e “Mulheres do Mundo” (Daniela Mercury), cuja letra celebra a luta feminina – e nordestina – nesses tempos de frágil democracia: “Elas fizeram a Revolução/ Ele não/ Ele não sabe não/ As mulheres proclamaram a Independência do Brasil/ Dos anos 2000”. “Caetano Filho do Tempo” e “Engomadeira” são letras e melodias de Daniela Mercury escritas sobre bases encomendadas ao produtor Jaguar Andrade.

A primeira é uma ode ao mestre baiano, que como Daniela, nasceu sob o signo de Leão, e traz referências a “Alegria Alegria”, “Odara” e “Tropicália”, entre outras canções do compositor.

A segunda é uma crônica sob o ponto de vista de quem olha a cidade de dentro do ônibus lotado: “Na suburbana/ Na beira da praia/ Bem longe do centro/ A cidade cresce/ A cidade sobe e desce/ Quanta beleza se esconde/ Em Águas de Meninos/ No bairro da paz/ Na estrada da Liberdade/ Na calçada/ Na Fazenda Grande/ Em Pernambués/ As mulheres sustentam a casa/ E rezam por dias melhores/ Mas a violência não deixa”.

PUBLICIDADE

Márcio Victor (Psirico) gravou percussão nas duas faixas. Um dos grandes percussionistas do Brasil e atualmente uma estrela do pagode baiano, o músico tocou por anos nas bandas de Caetano e Daniela. Outro produtor que se tornou parceiro em composições de Baiana é Mikael Mutti, com quem a Daniela Mercury trabalha desde o álbum Feijão com Arroz (1996). A dupla assina duas das faixas mais solares do novo álbum, “Soteropolitanamente na Moral”, já lançadacomo segundo single, e “Aglomera”, que encerra Baiana com clima esperançoso fazendo referência a “Sonho Impossível” de Chico Buarque e Ruy Guerra: “Aglomera toda a multidão/ Aglomera preparados para a primavera que renascerá do impossível chão”.

De autoria solitária de Mikael Mutti, “Disparo a Flecha” é uma love song – ou, por outra, uma sexy song – construída sobre uma melodia de bossa nova e com poética absolutamente soteropolitana: “Itapuã vai hipnotizar você/ Te falei que eu quero ir/ Um pouco de subversão/ Habita na minha canção/ Eu gosto de andar com quem gosta de beijar na boca”. Mutti vive atualmente em Los Angeles, onde faz trilhas para cinema, entre outros trabalhos. O centenário da Semana de Arte Moderna é festejado em “Macunaíma”, uma fusão de galope com kuduro. Daniela pediu o texto para Zé Celso Martinez Corrêa, que escreveu a quatro mãos com o também ator, dramaturgo e diretor Fernando de Carvalho. Mário de Andrade, Anita Malfatti, Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade se irmanam a Caetano Veloso (“Sem samba não dá”), Gilberto Gil (“dois, dois, dois, dois”), Fernanda Montenegro, Emicida, Elza Soares, Pabllo Vittar, Anitta e Elisa Lucinda na batalha antropofágica nossa de cada dia. Além das já citadas “Disparo a Flecha” e “A Felicidade”, Daniela Mercury gravou outras quatro canções de que não é autora. “Bombinha”, do sueco-pernambucano Posada.

Versos como “Quem explode é bombinha/ Eu quero é cantar pros meus/ Deixe que eu mesma decido/ Que rainha sou eu” logo chamaram a atenção de Daniela, que quis trazer para si a canção. Outra gravação de Baiana, “Me Dê” foi lançada pelo autor, o jovem pernambucano Martins, em seu primeiro álbum, de 2019. Mas Martins, que Daniela conheceu em eventos pela democracia, também contribui com a inédita “Deixa Rolar”, que tem a suavidade que Daniela buscava para equilibrar a densidade do repertório.

PUBLICIDADE

Por fim, “Intimidade com a Entidade” foi escrita pelo combo de compositores Aila Menezes, Deco Simões, Emerson Taquari, Leo Reis, Mikael Mutti e Sergio Rocha. E, como o próprio título faz concluir, é o tema religioso do disco, compondo assim um mosaico mais completo da Bahia. Como todos os álbuns gerados no período da pandemia, Baiana foi quase todo produzido remotamente. Daniela dividiu a produção das faixas com outros cinco produtores: Mikael Mutti (“Soteropolitanamente na Moral”, “O Samba Não Pode Esperar”, “Aglomera”, “Deixa Rolar”, “Me Dê” e “Disparo a Flecha”), Juliano Valle (“Macunaíma” e “Mulheres do Mundo”), Yacoce Simões (“Baiana”), Ubiratan Marques (“Bombinha”), Jaguar Andrade (“Caetano Filho do Tempo” e “Engomadeira”) e Gabriel Póvoas (“Intimidade Com a Entidade”). Cada um deu suas contribuições, em muitas idas e vindas, até que se chegasse a resultado plenamente satisfatório. Baiana é lançado no ano em que O Canto da Cidade (1992), álbum fundamental de Daniela Mercury, completa três décadas.

E é curioso ver onde vieram rebater os ecos dessa voz fundamental da música brasileira 30 anos depois, neste seu trabalho mais autobiográfico. Está tudo nele. A história da menina que escrevia cadernos já na adolescência, despejando neles seus textos e poemas. Que cavou uma bolsa de estudos porque queria ser bailarina. Que foi dar uma primeira canja no show de um amigo aos 15 anos e imediatamente se tornou atração fixa daquele barzinho, todas as quintas-feiras. Que, menor de idade, teve que fugir tantas vezes para a cozinha do bar quando o juizado aparecia.

As memórias da casa dos avós, onde morava. E da influência fundamental da professora Ângela Dantas em muitasdessas fases. Do curso na Federal da Bahia. Dos grupos de dança, onde fazia coreografias em cima de álbuns inteiros de Milton Nascimento, Chico Buarque, Egberto Gismonti. Da ida ao Curuzu para assistir a um ensaio do Ilê, onde também deu uma canja e – adivinha só – foi abraçada pelo bloco, definitivamente. Vovô do Ilê botou o apelido: A Branca Mal Assombrada. Nascia ali a Daniela Mercury que conhecemos hoje. E que segue cantando a cidade, para o país e para o  mundo.

PUBLICIDADE

Texto por Marcus Preto (jornalista e produtor musical).

SERVIÇO:
O que: Daniela Mercury – Baiana
Onde: Auditório Araújo Vianna (Av. Osvaldo Aranha, 685 – Bom Fim, Porto Alegre/RS)
Quando: 04 de novembro, sábado, às 21h
Abertura da casa: 19h30
Classificação: 16 anos

Realização: Todt Produções | Lado C | Opinião Produtora
Artes: Pedro Gabriel

PUBLICIDADE

INGRESSOS
Lote 1:
Plateia Alta Lateral:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 90
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 80
Inteira: R$ 160

Plateia Alta Central:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 110
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 100
Inteira: R$ 200

Plateia Baixa Lateral:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 160
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 150
Inteira: R$ 300

PUBLICIDADE

Plateia Baixa Central:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 180
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 170
Inteira: R$ 340

Plateia Gold:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 200
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 190
Inteira: R$ 380

Lote 2:
Plateia Alta Lateral:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 110
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 100
Inteira: R$ 200

PUBLICIDADE

Plateia Alta Central:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 130
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 120
Inteira: R$ 240

Plateia Baixa Lateral:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 190
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 180
Inteira: R$ 360

Plateia Baixa Central:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 210
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 200
Inteira: R$ 400

PUBLICIDADE

Plateia Gold:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 230
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 220
Inteira: R$ 440

* Os alimentos deverão ser entregues no Auditório Araújo Vianna, no momento da entrada ao evento.
** Para o benefício da meia-entrada (50% de desconto), é necessária a apresentação da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) na entrada do espetáculo. Os documentos aceitos como válidos estão determinados na Lei Federal 12.933/13.

Demais descontos:
* 50% para idosos: Lei Federal 10.741/03 – obrigatória apresentação de identidade ou documento oficial com foto.
* 50% para jovens pertencentes a famílias de baixa renda: Lei Federal 12.933/13 – obrigatória apresentação da Carteira de Identidade Jovem e de documento oficial com foto.
* 50% para pessoas com deficiência (e acompanhante quando necessário): Lei Federal 12.933/13 – obrigatória apresentação do Cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social da Pessoa com Deficiência ou de documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
* 50% para doadores regulares de sangue: Lei Estadual n° 13.891/12 – obrigatória apresentação de documento oficial válido e expedido pelos hemocentros/bancos de sangue.
* 50% para sócio do Clube do Assinante ZH.

PUBLICIDADE

Pontos de venda:

Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência – somente em dinheiro):
Loja Planeta Surf Bourbon Wallig (Av. Assis Brasil, 2611 – Loja 249 – Jardim Lindóia – Porto Alegre)
Horário funcionamento: das 10h às 22h.

Bilheteria Araújo Vianna (Aberta somente no dia do evento 2 horas antes do início dos shows):
Av. Osvaldo Aranha, 685 – Bairro Bom Fim

PUBLICIDADE

Online: www.sympla.com.br/araujovianna

Informações:
www.araujoviannaoficial.com.br
www.instagram.com.br/araujoviannaoficial
www.facebook.com.br/araujoviannaoficial
51 3211-2838

Assessoria de Imprensa:
Daniela Sangalli – Opinião Produtora

PUBLICIDADE