Exciter – The Dark Command (Um Metal por Dia)

Exciter – The Dark Command

O Exciter, depois de um período de grande turbulência, foi totalmente reformulado antes de soltar o seu sétimo trabalho de estúdio, intitulado “The Dark Command”, em 1997

O grupo canadense, um dos pioneiros do cenário thrash/speed metal, manteve somente o guitarrista John Ricci e recrutou Jacques Bélanger (vocal), Marc Charron (baixo) e Rik Charron (bateria) para gravar o álbum que, apesar de ter dividido um pouco a opinião dos fãs, deu um novo fôlego à banda, que vinha de uma queda bastante expressiva.

Sentindo cada vez menos a falta do icônico Dan beehler (vocal e bateria), o Exciter gravou as 10 faixas de “The Dark Command” em apenas quatro meses, ao lado dos produtores de longa data Manfred Leidecker e Brian Sim. Retomando a proposta artística dos seminais “Heavy Metal Maniac” (1983) e “Long Live the Loud” (1985), o quarteto de Ottawa ainda conseguiu atualizar a sonoridade rápida e agressiva dos seus primeiros anos para construir um disco menos seco e mais técnico.

As canções fortes e encorpadas do registro, além de evidenciar que a chegada de Bélanger foi extremamente benéfica para a banda, também deixaram claro que a presença de Mark e de Rik Roundcat Charron (que não são irmãos, apesar do mesmo sobrenome) contribuíram para que o instrumental do grupo ganhasse muita maturidade diante daquela tosquice típica dos primórdios do gênero.

Dando vazão a composições diretas e diversificadas, os melhores momentos da obra ficam por conta das faixas “The Dark Command”, “Burn at The Stake”, “Assassins in Rage”, “Ritual Death”, “Executioner” e “Suicide Overdose”, que impressionam pelos seus riffs volumosos, pelas suas quebras de bateria e pelos seus refrões certeiros.

De com o retorno de Beehler o Exciter abdicou de tocar aquilo que foi feito sem o seu líder, o legado primoroso deixado por “The Dark Command” fica mesmo restrito hoje às plataformas de streaming.




Sobre o autor