Machine Head – Burn My Eyes (Um Metal por Dia)

Machine Head – Burn My Eyes

O Machine Head, um dos expoentes do metal contemporâneo norte-americano, soltou a sua elogiada obra de estreia em 1994

Burn My Eyes”, que foi produzido por Colin Richardson, vendeu mais de 400 mil cópias no mundo todo, se tornando um dos debuts de maior sucesso da história da Road Runner Records. Gravado em apenas um mês, o registro colocou Robb Flynn (vocal e guitarra), Logan Mader (guitarra), Adam Duce (baixo) e Chris Kontos (bateria) em evidência, por conseguirem repaginar aquele Thrash Metal à lá bay area com muitas referências do Groove Metal e alguns flertes com aquilo que mais tarde seria chamado de New Metal.

Muito bem-recebido pela crítica especializada, o disco foi premiado pela revista britânica Kerrang! e, mesmo sem alcançar uma boa posição nas paradas da Billboard, atraiu um público jovem para perto do grupo, numa época que o heavy metal estava perdendo espaço para o grunge. Com uma sonoridade orgânica e bastante agressiva, em que as críticas políticas ganham um contorno de protesto em quase todas as letras, o Machine Head deixou claro já no seu primeiro disco que não iria seguir fórmulas pré-fabricadas, mas traçar o seu próprio caminho dentro do universo da música pesada.

Davidian”, “Old”, “None but My Own”, “The Rage to Overcome”, “Blood for Blood”, “I’m Your God Now” e “Block” são os melhores momentos do álbum, que se mantém potente e vibrante o tempo inteiro. Se a banda tem uma discografia oscilante, com discos que acabaram se perdendo em meio a tantas referências do metal alternativo, “Burn My Eyes” é o registro que melhor expressa a garra do quinteto da Califórnia.




Sobre o autor