Angel Witch – Angel Witch (Um Metal por Dia)

Angel Witch – Angel Witch

O Angel Witch, que iniciou a sua trajetória no final da década de 70, é um dos nomes precursores da N.W.O.B.H.M.

O grupo, que não chegou a ter uma exposição similar ao Saxon e ao Judas Priest, mesmo assim lançou um dos discos mais importantes do gênero. O autointitulado “Angel Witch” chegou às lojas em 1980 e circulou bastante mundo afora, ganhando a sua primeira edição nacional em vinil quatro anos depois, pela Bronze Records.

Ao lado de um produtor praticamente desconhecido, Kevin Heybourne (vocal e guitarra), Kevin Riddles (baixo) e Dave Hogg (bateria) passaram cerca de um mês no emblemático Roundhouse Studios de Londres para dar forma às 10 faixas do seu debut. Apesar das críticas relacionadas ao desempenho apenas razoável de Heybourne ao microfone, o disco foi muito elogiado pela imprensa especializada, ao ponto de ser considerado um dos melhores registros daquele ano pela Revista Sounds.

Com riffs pesados, melodias que se aproximam do hard rock e uma toque obscuro à lá doom metal, o primeiro disco do Angel Witch também ajudou a desenhar aquilo que mais tarde seria chamado de speed metal. Relançado em 2010 numa edição especial de aniversário, “Angel Witch” ganhou um monte de material bônus – de faixas gravadas ao vivo no BBC Friday Rock Show à versão de “Baphomet” incluída na famosa coletânea “Metal for Muthas” – e hoje tem o devido reconhecimento como um clássico do Heavy Metal.

Os melhores momentos do álbum são as canções “Angel Wtich“, “Atlantis“, “White Witch“, “Gorgon“, “Sweet Danger” e “Angel of Death“, muitas delas com uma pegada agressiva e pouco comum para o heavy tradicional da época.

O Angel Witch, que ainda se manteria em evidência com o interessante “Screamin’ N’ Bleedin’” (1985), sumiria do mapa já no ano seguinte, para retornar apenas em 2012. Somente com Heybourne da formação original, o disco mais recente da banda é o bem-recebido “Angel of Light“, de 2019.




Sobre o autor