Rage – Unity (Um Metal por Dia)

Rage – Unity

O melhor line-up do Rage, que tocou junto por quase uma década, gravou discos que podem ser considerados clássicos do Heavy Metal atual

“Unity”, que chegou às lojas 2002, foi produzido por Charlie Bauerfeind e deixou claro que o incansável Pete “Peavy” Wagner encontrou no russo Victor Smolski e no norte-americano Mike Terrana grandes parceiros de banda.

Incorporando alguns elementos do Power Metal, do Speed Metal e até mesmo do Metal Progressivo, o trio deu vida a um repertório enérgico e vigoroso, que muito se baseia nos riffs agressivos de Smolski e na bateria precisa de Terrana. O instrumental superdetalhado, os flertes com elementos épicos e sinfônicos, a performance visceral de Peavy ao microfone e os refrões pegajosos dão o norte em “Unity”, que chegou ao Brasil em uma versão nacional capitaneada pela Century Media.

Com a colaboração de Hansi Kursch (Blind Guardian) e Dc Cooper (Royal Hunt) nos backing vocals, o registro não teve um desempenho comercial muito satisfatório, mas conquistou uma nova parcela de fãs. Com canções diversificadas e que evidenciam muito bem a técnica dos três integrantes, o registro reposicionou o Rage dentro da música pesada, com uma proposta mais atual e distante daquela pegada básica dos seminais “Reign of Fear” (1986) e “Execution Guaranteed” (1987).

All I Want”, “Down”, “Set This World on Fire”, “Dies Irae”, “Living My Dream” e “Seven Deadly Sins” são os principais destaques do material, que fecha com a incrível e instrumental “Unity”, talvez a maior contribuição da dupla Smolski/Terrana ao grupo.

Transbordando criatividade e ousadia, “Unity” não é só o 15º disco da prolífica carreira do Rage, mas um ponto de virada para a banda, que redefiniu a sua identidade musical aqui.




Sobre o autor