Mägo de Oz – La Leyenda De La Mancha (Um Metal por Dia)

Mägo de Oz – La Leyenda De La Mancha

O Mägo de OZ, considerado um dos maiores expoentes do Heavy Metal espanhol, está na estrada desde o final da década de 80

O sexteto de Madrid, que absorve influências do power metal, do hard rock e do folk metal, soltou em 1998 o seu terceiro trabalho de estúdio, intitulado “La Leyenda De La Mancha”.

O registro, conceitual em torno da clássica história de Dom Quixote (do escritor Miguel de Cervantes), é o item mais bem-sucedido da discografia do grupo, que se tornou conhecido no mundo todo mesmo que as suas letras em castelhano possam causar alguma estranheza para aqueles que têm dificuldade de sair do inglês.

Gravado em apenas um mês, “La Leyenda De La Mancha” comprova o talento do baterista Txus Di Fellatio e do vocalista José Andrëa não só nas suas performances individuais, mas também por serem exímios compositores. O Mägo de OZ, que construiu aqui um repertório bem enérgico e com uma riqueza de detalhes muito legal, também se aproveitou do violino de Mohamed Guijarro para tornar tudo ainda mais grandioso e próximo da música celta – uma da das principais influências da banda.

El Santo Grial”, “La Leyenda De La Mancha”, “Molinos De Viento” (talvez o maior hit dos caras até hoje), “El Bálsamo De Fierabras”, “El Pacto” e “Réquiem” são os principais destaques do material, que impressiona pelo seu dinamismo, pelas suas texturas superbem elaboradas e pela sua produção sofisticada, muito melhor se comparada com os dois registros anteriores.

Com uma carreira sólida que contabiliza 15 discos lançados até 2021, o grupo conquistou o seu espaço não só na península ibérica, mas também na américa latina e no restante da Europa. Os dois milhões de ouvintes mensais que a banda tem atualmente no Spotify não são por acaso.




Sobre o autor