O projeto Kunhangue Rembiapo – Mulheres & Artesanato Mbyá Guarani inicia as atividades dia 25 de setembro

A ideia é a valorização das comunidades indígenas em troca de saberes, rodas de conversa e feiras de artesanato das mulheres Tekoa Jataity, Tekoa Nhundy e Tekoá Pindó Mirim

O projeto Kunhangue Rembiapo – Mulheres & Artesanato Mbyá Guarani, elaborado pela antropóloga Vanessa Rosa a partir das necessidades das mulheres das comunidades Mbyá Guarani próximas de Porto Alegre, vai promover uma série de eventos abertos ao público, como feiras de artesanato, rodas de conversas, oficinas práticas e fóruns envolvendo as mulheres Tekoa Jataity, Tekoa Nhundy e Tekoá Pindó Mirim, a partir de 25 de setembro.

A ideia é dar visibilidade e fortalecer as tradições culturais desta antiga arte nativa do RS, buscando o reconhecimento e valorização social e econômica. Em tempos nos quais as culturas e os povos indígenas estão sofrendo com a falta de políticas públicas que fortaleçam e valorizem suas terras e comunidades, essa iniciativa é muito bem-vinda.  A cultura tradicional do artesanato Mbyá Guarani, suas práticas de confecção, são o eixo deste projeto, contemplado no edital FAC Patrimônio, financiado pelo Pró-Cultura da SEDAC / Governo do Estado do RS e que terá um cronograma de atividades entre setembro e novembro deste ano.

Tudo se inicia com rodas internas na comunidade, lideradas pelas anciãs, para somente depois desta etapa, abrir ao público, na forma de feiras e oficina sobre artesanato Mbyá Guarani ministrada pelas artesãs das aldeias de Porto Alegre e Novo Hamburgo. São cursos práticos e teóricos sobre cestaria e ornamentos de biojóias. Nas ocasiões das oficinas, também serão promovidas rodas de conversas sobre mitos fundadores relativos ao artesanato, forma de coleta de materiais, apresentação dos tipos de materiais e prática de como fazer os trançados, bem como costumes e hábitos culturais relacionados ao artesanato. As oficinas e cursos são voltados para não indígenas e são gratuitos, mas quem quiser poderá fazer contribuições espontâneas que serão revertidas para as comunidades.

Essas atividades serão realizadas no Espaço Pachamama, em Novo Hamburgo, e na Feira dos Agricultores Ecológicos (FAE), no Parque da Redenção, em Porto Alegre. O projeto inclui a intervenção urbana “O que você vê?” com posters lambe-lambe com mulheres Mbyá Guarani e sua arte e artesanato, que tem o propósito de dar visibilidade e promover a reflexão acerca das relações da sociedade como um todo com essas comunidades. As fotografias têm autoria do fotógrafo Mbyá Guarani Vherá Xunu.

Esta ação, que será realizada na região central de Porto Alegre, tem o propósito de ampliar o respeito à cultura, à visibilização e à sensibilização artística do público gaúcho, haja vista que as mulheres costumam expor seus trabalhos no chão, nas ruas centrais da cidade e não são reconhecidas pela sociedade, sofrendo constantemente denúncias de mendicância. Acontece que, tradicionalmente, o costume de se sentarem em uma esteira em contato direto com o chão/terra, representa na sua cultura um elo sagrado do corpo humano com a terra. Segundo a antropóloga Vanessa Rosa, essa prática é uma “forma de resistência cultural ao colonialismo”.

Esta vem sendo uma prática cultural comum e natural aos diversos povos originários da América Latina. A venda de artesanato rente ao chão representa um fator cultural que, neste projeto, será valorizado e fortalecido, propondo, por meio da arte, um novo olhar sobre essa prática. A antropóloga , que é a idealizadora deste projeto juntamente com as comunidades, tem trazido para a reflexão também o fato de as mulheres indígenas levarem, suas crianças para o trabalho nas cidades, o que, para as mulheres dessas comunidades é absolutamente aceitável, pois os filhos não saem de perto das mães e das avós. Isso faz parte de sua cultura.

A relevância do projeto Kunhangue Rembiapo – Mulheres & Artesanato Mbyá Guarani está justamente no protagonismo indígena, na riqueza cultural dos Mbyá Guarani, sua cultura e saberes. Habitando territórios que lhes foram designados pelo Estado, na maioria das vezes degradados e que não proporcionam mais autonomia em forma de alimentação, ervas medicinais, água pura, as comunidades precisam mostrar constantemente sua visão de mundo e reivindicar um olhar mais humano e igualitário da sociedade.

Vanessa atua há mais de 20 anos com os Guarani de maneira voluntária, articulando e organizando eventos, feiras, encontros, rodas de conversa a partir das demandas e problemáticas advindas das comunidades do RS e SC. Esteve na organização do I Encontro das Kunhã – Mulheres Mbyá Guarani (2019) e I Encontro das Parteiras do RS (2019) e é admirada pelas lideranças indígenas, que reconhecem e confiam em seu trabalho.

PROGRAMAÇÃO:
Kunhangue Rembiapo – Mulheres & Artesanato Mbyá Guarani
25 de setembro, domingo, das 10h às 18h
Dentro da Programação Feira de Artes e Culturas Pachamama
Centro Espiritual Pachamama – Rua Demétrio Ribeiro, 1230 – Bairro Guarani – Novo Hamburgo
05 de novembro, sábado, das 7h às 13h
Banca do meio dentro da FAE – Feira dos Agricultores Ecologistas – Parque Redenção
Rua José Bonifácio – Porto Alegre

INSCRIÇÕES: https://forms.gle/yBKUDTngPwxZ643J7

INFORMAÇÕES[email protected]

Redes do Projeto:
https://www.instagram.com/kunhanguerembiapo
https://www.facebook.com/kunhanguerembiapomulheres

Realização: Nhandecy- Saberes Sagrados da Mãe Terra
Apoio Cultural: Espaço Pachamama e FAE- Feira dos Agricultores Ecologistas
Financiamento: Governo do Estado do RS – Pró-Cultura RS

Este projeto está sendo realizado com recursos do edital 09/2021 Culturas Populares – Governo do Estado do RS.

Assessoria de Imprensa:
Bebê Baumgarten Comunicação

Fotos:
Alass Derivas


Sobre o autor