Skyclad – A Semblance Of Normality (Um Metal por Dia)

Skyclad – A Semblance Of Normality

O Skyclad, um dos precursores do Folk Metal, parecia que tinha chegado ao seu fim em 2001, quando o vocalista Martin Ealkyier deixou a banda

O grupo, que preferiu não recrutar um novo integrante e efetivou o guitarrista Kevin Ridley no post de frontman, soltou três anos depois um seus discos mais legais, chamado “A Semblance of Normality”.

Um pouco distante do experimentalismo celta que marcou o seminal “Oui Avant-Garde a Chance” (1996), o quinteto britânico voltou às suas raízes para construir um repertório coeso e interessante, que se aproxima muito mais do hard rock e do heavy tradicional do que de qualquer outro estilo. Muito bem produzido por Ridley, o 12º trabalho do Skyclad conta com 13 composições densas e consistentes, que ganharam uma aura sinfônica incrível com a participação especial de alguns músicos da The Royal Philharmonic Orchestra.

Pesado e muito bem lapidado em torno dos riffs de guitarra, aquelas nuances da música folk acabam sendo apenas um detalhe no repertório de “A Semblance of Normality”, que dá vazão a uma pegada épica muito bacana. Se “Anotherdrinksong” e “The Lightening the Load” podem agradar quem esperava o lado mais divertido do Skyclad vir à tona, faixas do calibre de “Do They Mean Us”, “A Good Day to Bury Bad News”, “The Song of No-Involvement”, “The Parliament of Fools” e “Ntrwb” dão um tom diferente à sonoridade “clássica” da banda, numa perspectiva mais madura e com um toque bem moderno.

Com apenas 30 mil ouvintes mensais no Spotify, o grupo de Newcastle chegou a despertar o interesse da Hellion Records (que lançou alguns dos seus discos no Brasil), mas nunca conseguiu despontar para além do underground. “A Semblance of Normality” é o disco ideal para quem nunca ouviu nada e ficou interessado em conhecer a banda.




Sobre o autor