Bruce Dickinson, um dos maiores nomes do Rock Mundial está de volta a Porto Alegre!

Pics Música e Cultura | Bruce Dickinson, um dos maiores nomes do Rock Mundial está de volta a Porto Alegre!
Pics Música e Cultura | Bruce Dickinson, um dos maiores nomes do Rock Mundial está de volta a Porto Alegre!

No dia 25 de abril de 2023, o Auditório Araújo Vianna recebe o Concerto For Group And Orchestra e os maiores sucessos de Jon Lord e do Deep Purple uma turnê inédita no Brasil

Compositor, pianista e organista, o inglês Jon Lord é aclamado como um dos mais importantes nomes da história do rock. Além de ter passado por bandas como o Whitesnake, ele fundou e integrou durante mais de duas décadas o Deep Purple, e deixou uma carreira extensa: foram 12 álbuns solos, 19 álbuns com o Deep Purple e seis álbuns com o Whitesnake

Seu canto de cisne, o “Concerto For Group And Orchestra”, transformou-se em uma das mais aplaudidas turnês do Purple, e continuou a ser apresentado por ele, ao lado das mais renomadas orquestras, depois de sua saída da banda em 2002. Após a morte de Lord, em 2012, o “concerto” esperaria sete anos para voltar aos palcos, em 2019, no Canadá, e depois em 2021, na Hungria. 

Em 2023, 54 anos após sua estreia nos palcos, o “Concerto” e os maiores sucessos de Lord com o Deep Purple estão de volta para uma turnê por quatro cidades brasileiras. Em sua passagem pelo país, será apresentado por Bruce Dickinson (Iron Maiden) nos vocais, que volta ao país especialmente para o show e que comanda uma banda formada por John O’Hara (Jethro Tull) nos teclados, Kaitner Z Doka (Jon Lord, Ian Paice) na guitarra, Bernard Welz (Jon Lord, Don Airey) na bateria e Mario Argandonia (Scorpions) na percussão.

Além deles, o show terá no palco uma orquestra sinfônica de mais de 80 instrumentistas, montada especialmente para a ocasião com integrantes da OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo) e de algumas das principais sinfônicas do país. Ela será conduzida por Paul Mann, que já participou de dezenas de apresentações do concerto, incluindo a histórica performance de 1999 no Royal Albert Hall. 

No Brasil os shows acontecerão em São Paulo, no dia 15 de abril, na Vibra São Paulo; em Curitiba, no dia 19 de abril, no Teatro Positivo; no Rio de Janeiro, dia 21 de abril, no Vivo Rio; e em Porto Alegre, no dia 25 de abril, no Auditório Araújo Vianna. Os ingressos estarão à venda a partir do dia 06 de setembro (ver serviço completo abaixo). 

Além do concerto, o show apresentará ainda alguns dos principais sucessos do Deep Purple. A turnê brasileira do “Concerto for Group and Orchestra” é uma realização da MCA Concerts.

O CONCERTO

Concerto For Group And Orchestra” surgiu como um álbum ao vivo do Deep Purple, com a participação da Royal Philharmonic Orchestra, dirigido por Malcolm Arnold e gravado no Royal Albert Hall de Londres, em setembro de 1969. Composto por Jon Lord, com algumas poucas letras escritas por Ian Gillan, é o primeiro álbum completo a apresentar Ian Gillan nos vocais e Roger Glover no baixo. Foi lançado em vinil em dezembro de 1969. A apresentação foi uma das primeiras combinações de rock com uma orquestra completa. 

Dividida em três movimentos, a partitura original do concerto foi perdida em 1970, e foi recriada em 1999. Em 25 e 26 de setembro daquele ano, trinta anos após sua apresentação inicial, o “Concerto” foi novamente apresentado ao vivo no Royal Albert Hall. Para tornar essa performance possível, uma nova partitura foi criada por Lord com a ajuda de Paul Mann e Marco de Goeij, ouvindo a gravação e assistindo ao vídeo da performance de 1969. Encorajado pelo sucesso das apresentações de 1999, o Deep Purple levou o “Concerto” em turnê, primeiro apresentando-o na América do Sul com orquestras locais, depois na Europa com a George Enescu Philharmonic Orchestra, e no Japão com a New Japan Philharmonic Orchestra, todas conduzidas por Paul Mann.

Em 24 de setembro de 2009, Jon Lord juntou-se à RTE Concert Orchestra no National Concert Hall, em Dublin, na Irlanda para comemorar o 40º aniversário da primeira apresentação do Concerto. Também foram apresentadas peças da carreira solo de Jon Lord e várias músicas do Deep Purple. 

Em outubro de 2012, foi lançada uma versão de estúdio do “Concerto”. A gravação apresenta a Royal Liverpool Philharmonic Orchestra conduzida por Paul Mann. Os solistas são Jon Lord no orgão, Darin Vasilev, Joe Bonamassa, Steve Morse na guitarra, Steve Balsamo, Kasia Łaska e Bruce Dickinson no vocal, Brett Morgan na bateria e Guy Pratt no baixo. O disco foi mixado no Abbey Road Studios no final de maio de 2012 e de acordo com Paul Mann, Jon Lord ouviu a master final da gravação alguns dias antes de sua morte em 16 de julho de 2012.

Sobre a gravação, Lord afirmou: “Ao longo destes últimos anos, desde que deixei o Deep Purple, eu toquei mais de 30 vezes com orquestras e maestros diferentes em todo o mundo, e, claro, eu fiz isso bem mais de 30 vezes com o Purple na turnê Concerto, de modo que fui aprimorando a peça ao vivo no palco e tive a oportunidade de mudar as coisas na pontuação que não estavam soando muito bem. É, portanto, uma perspectiva maravilhosa e emocionante ter a gravação definitiva da versão definitiva da partitura“.

JON LORD
Conhecido por ter integrado as bandas Deep Purple, Whitesnake, Paice, Ashton & Lord, The Artwoods e Flower Pot Men, Jon Lord foi um compositor, pianista e organista, considerado o pioneiro na fusão do rock com música clássica.

Em 1968, Lord fundou a banda de rock inglesa Deep Purple. Ele e o baterista Ian Paice foram os únicos integrantes constantes da banda durante a fase inicial da sua existência (1968-1976) e, a partir do momento em que eles refundaram a banda, em 1984, até a saída de Lord em 2002.

O Deep Purple teve início em 1968, com o nome Roundabout. A primeira formação lançou três discos de pouca repercussão – Shades of Deep Purple, The Book of Taliesyn e o álbum homônimo Deep Purple. O nome definitivo foi sugerido por Ritchie Blackmore, e retirado de uma música que a sua avó gostava.

Em 1969, resolveram arriscar uma mudança no direcionamento musical da banda, convidando o vocalista Ian Gillan e o baixista Roger Glover, passando a buscar um estilo que misturasse música clássica europeia ao hard rock, que surgia na Inglaterra, com bandas como Yardbirds e Led Zeppelin. O primeiro álbum com esta formação, foi exatamente Concerto for Group and Orchestra, que foi recebido com respeito, mas um pouco de estranheza pela crítica. Não foi, todavia, um grande sucesso de público. 

Dariam uma virada de 180 graus em 1970, com o álbum Deep Purple in Rock, que com seu hard rock direto e bem feito, rapidamente chegou ao topo das paradas, transformando imediatamente o Deep Purple em uma banda muito conhecida e influente. São deste disco alguns dos primeiros grandes clássicos da banda, Speed King e Child in Time.

O álbum Fireball, de 1971, confirmou o sucesso da banda, e com Machine Head (um dos clássicos do rock de todos os tempos, lançado em 1972) o Purple atingiu o auge de sua fama. Constam deste álbum dois de seus maiores hits, o hino “Smoke On The Water” (com o riff mais marcante da história do hard rock) e “Highway Star“. A turnê que se seguiu rendeu outro álbum clássico, o ao vivo Made In Japan.

Quando decidiu sair da banda, Lord afirmou: “Foi terrível sair. Era a minha banda, eu era um membro fundador e os caras eram grandes amigos meus. Eu passei noites e noites sem dormir, mas percebi que estava começando a gostar menos da situação e ficando apenas acostumado com a mesma. De repente me descobri pensando que não gostaria de tocar noite após noite, e quando percebi aquilo, eu sabia que tinha de tomar uma decisão. Eu verifiquei se seria possível tirar um ano de férias, mas eles disseram que não achavam isso viável. Então eu disse que, naquele caso, teria de sair.

Em 1984 Lord voltaria a recriar a banda, onde ficaria até 2002, quando deixou o Deep Purple e foi substituído pelo tecladista Don Airey (ex-Rainbow, ex-Ozzy Osbourne). Em 2004, gravou um single chamado “The Sun Will Shine Again” com Anni-Frid Frida Lyngstad, ex-integrante do grupo sueco ABBA. Jon Lord faleceu em Londres, aos 71 anos de idade, em 2012. 

SERVIÇO:
O que: Bruce Dickinson, Band and Orchestra Celebrating the Music of Jon Lord and Deep Purple
Onde: Auditório Araújo Vianna (Avenida Osvaldo Aranha, 685)
Quando: 25 de abril de 2023, terça-feira, 21h
Abertura da casa: 19h30
Classificação: 16 anos

INGRESSOS
Sympla: https://bileto.sympla.com.br/event/76303/d/156781

Plateia Alta Lateral:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 300
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 290
Inteira: R$ 580

Plateia Alta Central:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 360
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 350
Inteira: R$ 700

Plateia Baixa Lateral:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 400
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 390
Inteira: R$ 780

Plateia Baixa Central:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 450
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 440
Inteira: R$ 880

Plateia Gold:
Inteira solidária (todas as pessoas podem comprar mediante a doação de 1kg de alimento não perecível): R$ 560
Meia entrada (desconto de 50%): R$ 550
Inteira: R$ 1100

** Os alimentos deverão ser entregues no Auditório Araújo Vianna, no momento da entrada ao evento.
*** Para o benefício da meia-entrada (50% de desconto), é necessária a apresentação da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) na entrada do espetáculo. Os documentos aceitos como válidos estão determinados na Lei Federal 12.933/13.

DEMAIS DESCONTOS:
* 50% para idosos: Lei Federal 10.741/03 – obrigatória apresentação de identidade ou documento oficial com foto.
* 50% para jovens pertencentes a famílias de baixa renda: Lei Federal 12.933/13 – obrigatória apresentação da Carteira de Identidade Jovem e de documento oficial com foto.
* 50% para pessoas com deficiência (e acompanhante quando necessário): Lei Federal 12.933/13 – obrigatória apresentação do Cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social da Pessoa com Deficiência ou de documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
* 50% para doadores regulares de sangue: Lei Estadual n° 13.891/12 – obrigatória apresentação de documento oficial válido e expedido pelos hemocentros/bancos de sangue.
* 50% para sócios do Clube do Assinante ZH.

PONTOS DE VENDA:
Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência – somente em dinheiro):
Loja Planeta Surf Bourbon Wallig (Av. Assis Brasil, 2611 – Loja 249 – Jardim Lindóia – Porto Alegre)
Horário funcionamento: das 10h às 22h.

Online: www.sympla.com.br/araujovianna

REALIZAÇÃO:
MCA Concerts
Opinião Produtora

INFORMAÇÕES:
Site Oficial: www.araujoviannaoficial.com.br
Facebook: www.facebook.com/araujoviannaoficial
Instagram: www.instagram.com/araujoviannaoficial
Twitter: www.twitter.com/araujovianna_
Telefone: 51 32112838

PUBLICIDADE