Heir Apparent – One Small Voice (Um Metal por Dia)

Heir Apparent – One Small Voice

O Heir Apparent, que está na ‪estrada desde 1984‬, nunca conseguiu se desvencilhar do cenário underground

O grupo norte-americano, que chegou a interromper as suas atividades duas vezes na década de 90, conta com números extremamente modestos nas plataformas de streaming.

Indo do heavy tradicional ao metal progressivo, o quinteto de Seattle soltou, em 1989, o seu segundo trabalho de estúdio, intitulado “One Small Voice”. O registro, distribuído pela Metal Blade Records nos Estados Unidos e na Europa, foi muito bem-recebido pela imprensa especializada na época, mesmo que os bons reviews não tenham sido suficientes para que a banda se tornasse popular por lá.

O Heir Apparent se juntou ao produtor Tom Hall (Queensrÿche) para criar aqui um repertório muito bem lapidado, que também absorve algumas referências do hard rock e do melodic rock. Com muito feeling e aquela abordagem instrumental típica dos anos 80, o grupo não se aproveitou tanto dos riffs pesados e acabou fazendo de “One Small Voice” um registro complexo, sofisticado e com uma interessante riqueza de detalhes, tanto no que diz respeito aos solos de guitarra ou às linhas de teclado.

Se a performance do vocalista Steve Benito muito lembra as bandas de power metal, o álbum conta com canções superinteressantes e distantes desse estilo, como são os casos de “Crossing the Boarder”, “Screaming”, “Cacophony of Anger”, “We the People”, “Decorated” e “The Fifth Season”, todas com uma vibe alto-astral, melodias empolgantes e um certo acento épico.

Se Seattle não tivesse sido invadida pelo grunge mais ou menos na mesma época que “One Small Voice” chegou às lojas, o Heir Apparent provavelmente teria uma outra trajetória dentro da música pesada. A banda, cujo último disco é de 2018, ainda precisa ser mais conhecida pelos headbangers mundo afora.




Sobre o autor