Candlemass – The Door To Doom (Um Metal por Dia)

Candlemass – The Door To Doom

O Candlemass, um dos nomes pioneiros do cenário Doom Metal mundial, soltou em 2019 o seu 12º trabalho de estúdio

O registro, que chegou às lojas depois um hiato criativo de sete anos, marcou a volta do vocalista Johan Langqvist à banda, que havia pulado da barca após o clássico debut “Epicus Doomicus Metallicus“, de 1986.

Produzido por Marcus Jidell (ex-guitarrista do Soen e do Evergrey), “The Door to Doom” chama a atenção por conta de uma sonoridade que se desdobra entre o clássico e moderno, em que os riffs pesados e arrastados da dupla Mappe Bjorkamnn e Lars Johansson ganham todo o destaque. Apesar de ter atingido posições apenas razoáveis nos charts da Europa, o disco mostra uma banda que soube se renovar, mesmo que numa retomada às suas raízes.

O repertório de “The Door to Doom“, que foi inteiramente composto pelo baixista Leif Edling, conta com oito composições extensas, em cerca de 50 minutos. a volta de Langqvist ao posto de frontman do Candlemass é um atrativo à parte nas faixas mais densas e obscuras do material, como “Splendor Demon Majesty“, “Under the Ocean” (a melhor), “Black Trinity” e “House of Doom“, por causa da sua interpretação bastante intensa e que intercala agressividade e melodia na medida certa. Além dessas canções, “Astorolus – the Great Octopus” é outro ponto alto do material, pela sua pegada épica e, principalmente, pela participação especial (e cheia de brilho) de Tony Iommi, do Black Sabbath.

Complexo, melancólico e vibrante quando precisa, “The Door to Doom” é um álbum que, mesmo sem ter uma grande pretensão, consegue ditar os caminhos pelos quais o Doom Metal pode trilhar no futuro, mas sem abrir mão dos melhores momentos do seu passado.




Sobre o autor