Satyricon – Now Diabolical (Um Metal por Dia)

Satyricon – Now Diabolical

Mesmo que não seja considerado um dos pilares do Black Metal norueguês, o Satyricon conseguiu trilhar o seu próprio caminho dentro do gênero, com bastante personalidade

Satyr (vocal, guitarra, baixo e teclado) e Frost (bateria), que estão em atividade desde 1991, aos poucos foram abandonando a brutalidade do metal extremo para investir em uma sonoridade mais técnica e simples, com muitas influências do heavy metal tradicional.

O ápice dessa jornada, iniciada em “Rebel Extravaganza” (1999), é o álbum “Now Diabolical“, lançado em 2006 pela Road Runner Records. Dividindo a opinião da crítica especializada, justamente por tirar o pé da intensidade rítmica que foi vista (e muito elogiada) no seminal “Nemesis Divina” (1996), o Satyricon chegou à segunda colocação das paradas do seu país natal com um trabalho que descomplica aquele black metal sinfônico e desesperador à lá Mayhem e Emperor.

Com uma pegada rústica, mas muito bem produzido por Satyr, o disco mostra uma boa diversidade de riffs e de melodias, indo da velocidade habitual do estilo a um andamento bem arrastado, às vezes beirando o doom. “Now Diabolical“, por isso tudo, é um álbum bastante acessível e que pode agradar até mesmo quem não é um admirador dos extremismos metálicos. A faixa-título, com o seu refrão pegajoso, é um dos destaques da obra, que soma oito faixas e cerca de 40 minutos de duração. As arrastadas “The Pentagram Burns” e “To the Mountains” e a pesada “A New Enemy” também merecem a atenção.

A verdade, entretanto, é que nenhuma dessas composições pode ser comparada com “King“. Eleita pela Metal Hammer UK uma das 50 melhores músicas do último século, a canção é o carro-chefe de “Now Diabolical” e um dos maiores hit do grupo até hoje. Com uma proposta artística conscientemente diferente e transgressora, o Satyricon vai ocupando o seu espaço com muita coragem e álbuns que fogem de qualquer padrão pré-estabelecido.




Sobre o autor