“Viva Plauto Cruz!”, álbum de Paulinho Parada, ganha lançamento dia 02 de julho, às 19h, na Casa Plauto Cruz

Pics Música e Cultura |

O disco será disponibilizado neste dia nas plataformas de streaming. O show de lançamento terá entrada franca e as participações de vários artistas da cena musical do RS

O músico e pesquisador Paulinho Parada está sempre em movimento, atuando na cena cultural da cidade, compondo sambas em parcerias com outros compositores gaúchos, lançando discos, clipes e singles, e, mais recentemente, sendo pai de uma menina.

Pois é este artista inquieto e estudioso que vai lançar no próximo dia 02 um trabalho que vem tecendo há alguns anos. Trata-se do álbum “Viva Plauto Cruz!” que reconstitui a obra desse fundamental artista gaúcho e onde Paulinho reuniu um time de jovens músicos para gravar uma seleção de composições do flautista, algumas delas inéditas.

Entre os músicos que participam do disco estão Stefania Colombo, Júlia Valentini, Eduardo Rukat, Maicon Ouriques e Parada, que também é o produtor do álbum. Os músicos fazem parte do Regional do Choro. “Viva Plauto Cruz!” será lançado dia 02 de julho em todas as plataformas de streaming, distribuído pela Tratore. Já o show será na Casa Plauto Cruz, criada em homenagem ao músico. O local é pequeno e acomoda 30 pessoas, portanto, é bom chegar cedo.

No roteiro da noite, além do show, haverá a inauguração do busto de Plauto Cruz e uma pequena confraternização antecedendo a cerimônia. Para quem ainda não conhece este espaço, o momento é perfeito para visitar a casa e saber dos bastidores da gravação do disco, num bate-papo com os músicos que participaram da obra.

Tudo começou com as gravações no Studio Brother’s, com as composições Nora e Juliana. “Após essa fase inicial, fizemos uma parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre e concluímos a gravação de quinze músicas de Plauto no estúdio municipal Geraldo Flach, onde captamos os instrumentos e realizamos edições e mixagens”, afirma Paulinho Parada. A masterização foi finalizada no Studio Brother’s em Porto Alegre.

As composições de Plauto que compõem o álbum são no gênero chorinho. O grupo escolheu “Choro Clássico”, “Doce Ternura”, “Engenho e Arte”, “Juliana”, “Maremy”, “Nora”, “Romantíssimo” e “Tema de amor”, todas já gravadas por Plauto. As inéditas, nunca gravadas pelo flautista ou outros músicos, achadas nos manuscritos de Plauto, são “Amanda”, “Amor secreto”, “Eva”, “Minha São Jerônimo”, “Para Sabrina”, “São Lucas” e “Tema para Altamiro”.

Cada uma delas traz uma história, uma curiosidade: “Minha São Jerônimo” foi composta para sua cidade natal. Com um ar nostálgico, vê-se sua infância na cidade, quando construía flautas com bambu. “São Lucas” foi feita na ocasião de um grave atropelamento sofrido por Plauto, em 2002, quando recuperou-se no hospital São Lucas, da PUC. Esse acidente afetou para o resto da vida sua mobilidade e capacidade de se locomover sem auxílio. Ao contrário de amargar esse momento, decidiu homenagear o hospital e sua equipe com uma valsa que permanecia inédita. “Para Sabrina” e “Amanda” são composições feitas pelo flautista em homenagem às suas netas. “Eva” e “Maremy” são duas composições feitas em homenagem sua esposa Eva Maremy. O choro “Maremy” já tinha sido gravado por Plauto em seu disco, mas Eva é uma valsa até então inédita composta em 10 de maio de 1962.

SOBRE OS MÚSICOS DO REGIONAL DE CHORO
Participando do grupo em formação clássica de regional de choro, está a flautista Stefania Colombo, graduada em Música Popular pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que, assim como Plauto Cruz, tem raízes familiares na cidade de São Jerônimo – RS. Paulinho Parada, Doutorando em Música pela UFRGS, é o produtor, pesquisador e amigo do flautista, e realiza esse projeto como forma de celebrar a amizade dos dois ao longo de dez anos, o que possibilitou a reconstituição da obra de Plauto. Júlia Schirmer é violonista 7 cordas e bandolinista, bacharelanda em música pela UFRGS, e, com apenas 20 anos de idade, destaca-se por sua qualidade como musicista. Maicon Ouriques e Rukat, pandeirista e cavaquinista, são jovens instrumentistas do choro gaúcho, oriundos da formação da Oficina de Samba e Choro do Santander Cultural (Porto Alegre – RS).

SOBRE PLAUTO E O ÁLBUM VIVA PLAUTO CRUZ
Plauto Cruz nasceu em 1929, na cidade de São Jerônimo no Rio Grande do Sul. Radicou-se em Porto Alegre, sendo um dos maiores flautistas brasileiros. Faleceu em 2017, deixando uma vasta obra com composições para serem interpretadas. O projeto “Viva Plauto Cruz!” é uma celebração à vida e obra desse grande flautista, lembrado não somente pela qualidade de sua música e a paixão com que tocava sua flauta, mas pelo exemplo de humanidade e generosidade frente às dificuldades da vida. As composições recuperadas pelos pesquisadores Paulinho Parada e Reginaldo Braga resultaram na gravação deste álbum. “Repensarmos o grande papel do artista em nossa sociedade, lutando contra o esquecimento social para que sua obra possa existir além do tempo que dura uma vida. É sobre isso que se trata o projeto: a eternidade da música de Plauto Cruz através da arte interpretada por jovens, uma nova geração de músicos do sul do Brasil“, afirma Parada. Os arranjos para violão e harmonizações de melodia ficam por conta de Luiz Machado e sua equipe de alunos. Paulinho Parada foi responsável por resgatar os manuscritos das composições de Plauto, bem como organizar um repositório de fonogramas digital do flautista, disponível através do canal “Plauto Cruz” no YouTube. Publicou, junto com Reginaldo Braga, o livro “Tocando Plauto Cruz“, que reúne transcrições dos manuscritos das composições deste projeto.

VIVA PLAUTO CRUZ! – SHOW E LANÇAMENTO DO ÁLBUM
Dia 02 de julho, sábado às 19h
Casa Plauto Cruz – Av. Venâncio Aires n. 67 – Bairro Cidade Baixa

*entrada franca, lotação máxima de 30 pessoas
*o disco estará disponível nas plataformas de streaming / Distribuição Tratore

Informações para a imprensa
Bebê Baumgarten Comunicação

Fotos:
Anderson Vanzan e Achutti

PUBLICIDADE