Queensryche – Rage For Order (Um Metal por Dia)

Queensryche – Rage For Order

Depois de estrear em grande estilo com “The Warning” (1984), o Queensryche conseguiu se manter em evidência no cenário norte-americano com o seu segundo trabalho de estúdio, chamado “Rage for Order”

O disco, que saiu dois anos depois do famoso debut e frequentemente é citado pelos fãs como a melhor obra do quinteto de Washington, foi muito bem-recebido pela imprensa especializada, caindo nas graças de publicações como a Rockhard alemã e a Kerrang.

Transitando de maneira perfeita entre o hard rock e o metal progressivo, o registro mostra uma banda jovem e madura, que deu à música pesada da época um contorno técnico e sofisticado. Se Geoff Tate mostrava todas as suas credenciais, a performance fora de série dos guitarristas Chris Degarmo e Michael Wilton, juntamente com a cozinha concisa de Eddie Jackson (baixo) e Scott Rockenfield (bateria), que estabelecem toda a base do Queensryche.

Com talento de sobra e muito capricho na hora de compor, o grupo teve na figura do icônico produtor Neil Kernon (Elton John e Queen) um facilitador, que ainda aparou as arestas de canções complexas e diversificadas, dando a “Rage for Order” um direcionamento claro e uma abordagem acessível.

Das rebuscadas “I Dream in Infrared”, “The Killing Words” e “London” ao improvável cover da pop “Gonna Get Close to You”, passando ainda pelas vibrantes “Walk in The Shadows”, “Surgical Strike” e “Screaming in Digital”, o grupo deu aqui o primeiro passo para se tornar um dos maiores nomes do Heavy Metal de todos os tempos.




Sobre o autor