Amaranthe – Manifest (Um Metal por Dia)

Amaranthe – Manifest

O Amaranthe, apesar de dividir opiniões entre os headbangers mais puristas, é um dos grandes nomes do heavy metal contemporâneo.

O grupo sueco, em atividade desde 2009, já tem seis discos lançados até o momento, todos com uma proposta direta, melódica e radiofônica.

Manifest“, que chegou às plataformas de streaming em outubro via Nuclear Blast South-America, talvez seja o trabalho mais maduro e que melhor representa a sonoridade bastante própria da banda.

Elize Ryd, Henrik Wilhemsson e Nils Molin, os três vocalistas do Amaranthe, ajudam a transformar o power metal do grupo em algo muito dinâmico e diversificado dentro dos limites do estilo.

O instrumental da banda, com velocidade e uma boa quantidade de elementos orquestrais, não é nenhuma novidade, mas o Amaranthe sabe fazer isso com uma boa dose de inspiração.

Os riffs pesados, os refrãos cheio de intensidade e os detalhes eletrônicos são os principais atributos de “Manifest” e dão o norte nos principais destaques do álbum, como “Fearless“, “Scream My Name” (a melhor de todas), “Viral“, “Adrenaline“, “Strong” e “Archangel“.

Com 12 faixas, todas na média de três minutos de duração, o disco até pode incomodar quem é avesso ao direcionamento mais comercial dos caras, mas é inegável que o grupo tem qualidade – até de sobra – para figurar entre principais nomes do som pesado.

Manifest“, que também saiu em versão nacional, é um dos álbuns mais procurados na Heavy Metal Rock em 2020.





Sobre o autor