Rammstein – Rammstein (Um Metal por Dia)

Rammstein – Rammstein

O Rammstein, que iniciou a sua trajetória em meados da década de 90, por muito tempo foi considerado um dos líderes da nova geração da música pesada.

Com letras em alemão e uma sonoridade cheia de elementos eletrônicos, a banda tirou o metal industrial do underground e se tornou maior que todas as bandas de new metal, que surgiram mais ou menos na mesma época.

Com o seu nome já consolidado entre os grandes, o grupo tem discos clássicos, como “Sehnsucht” e “Mutter“, de 1997 e 2001, respectivamente.

Após outros álbuns de boa repercussão, turnês e um hiato de dez anos, o Rammstein voltou ao estúdio em 2008 e soltou, no ano seguinte, o autointitulado “Rammstein“.

Lançado pela Universal Music, o registro não possui uma sonoridade diferente dos seus antecessores. Sem nunca ter trocado um integrante, é a continuidade que dá uma linha bastante lógica às obras da banda, dentro de uma proposta artística ampla, mas bem definida.

Com boas melodias, andamentos que se aproximam ao gothic metal em certos momentos, “Rammstein” pode ser considerado o disco mais heavy e menos industrial dos alemães.

Sem grandes experimentalismos, Till Lindemann, Richard Kruspe & Cia apostaram numa retomada às raízes – e talvez por isso a escolha do título do álbum.

Deutschland“, “Radio” e “Ausländer” são músicas que possuem riffs inspirados, refrãos pegajosos e uma riqueza de detalhes impressionantes.

Muito bem produzido, esse é o primeiro álbum sem a assinatura do sueco Jacob Hellner. O produtor estreante Olsen Involtini deu um novo horizonte à sonoridade da banda, que assumiu uma postura menos transgressora e mais pensada para o mercado norte-americano.

Sex” e “Was Ich Liebe” são outros dois bons momentos do registro, mas a melhor faixa é, disparada, “Puppe“. Com uma pegada que intercala calmaria e desespero, a performance cheia de sentimento de Till Lindemann faz da canção a maior estrela do repertório inteiro.

O Rammstein não é mais aquela banda curiosa que se apresentou pela primeira vez no brasil, em 1999, abrindo para o Kiss. “Rammstein” é a prova de como o sexteto de Berlim evoluiu, lotando estádios e criando altas expectativas em torno dos seus álbuns.





Sobre o autor