Ozzy Osbourne – No More Tears (Um Metal por Dia)

Ozzy Osbourne – No More Tears

A carreira solo de Ozzy Osbourne é extremamente bem-sucedida.

O cantor, que deixou o Black Sabbath em 1980 e soltou já de cara os clássicos “Blizzard Of Ozz” e “Diary Of A Madman“, teve uma sequência de discos intensa, às vezes atropelada, de um álbum novo a cada dois anos.

E foi quando o vocalista resolveu dar um tempo para respirar que as coisas começaram a ficar ainda maiores. “No More Tears“, de 1991, é um dos discos mais bem estruturados de Ozzy, com um conjunto de 11 composições diversificadas e trabalhadas na medida certa.

Sem a correria de outrora, o registro teve uma gestação aparentemente tranquila, de dois anos, em que foram utilizados dois estúdios e dois produtores. Acompanhado pelo guitarrista Zakk Wylde, pelo baixista Bob Daisley e pelo baterista Randy Castillo, Ozzy conseguiu criar um repertório invejável, que caiu nas graças da MTV (foram três videoclipes na programação da emissora) e do público, conquistando simultaneamente um lugar no top 20 da Inglaterra e dos Estados Unidos, além de uma vitória no Grammy Awards.

Curiosamente, algumas das melhores faixas de “No More Tears” foram escritas com a colaboração do saudoso Lemmy Kilmister: a enérgica “I Don’t Want To Change The World“, a linda balada “Mama I’m Coming Home” e a pesada “Hellraiser“.

Além dessas três, os outros destaques são “Mr. Tinkertrain“, “Road To Nowhere“, “Desire” e a faixa-título do álbum, um dos grandes hits do vocalista até hoje.

Com quatro milhões de cópias vendidas no mercado norte-americano, “No More Tears” teve tempo para amadurecer, sem a pressão e o imediatismo comercial das obras anteriores.

Com um performance impecável da sua principal estrela, o registro tem tudo aquilo que os fãs esperam de Ozzy.





Sobre o autor