Dream Theater – Octavarium (Um Metal por Dia)

Dream Theater – Octavarium

O Dream Theater é, tranquilamente, o maior nome do Metal Progressivo de todos os tempos.

A banda, que lançou no começo dos anos 90 alguns dos registros que ajudaram a formatar o gênero, como os imprescindíveis “Images And Words” e “Metropolis Pt. 2: Scenes From A Memory“, continua a sua saga até hoje, com discos (quase sempre) diferentes entre si.

Indo na contramão dos megacomplexos “Six Degrees Of Inner Turbulence” e “Train O Thought“, que saíram anos antes, o grupo norte-americano voltou ao estúdio, em 2005, para gravar aquela que pode ser considerada a obra mais direta de toda a sua discografia.

Produzido pelo guitarrista John Petrucci e pelo baterista Mike Portnoy, “Octavarium” até tem os seus momentos de pirotecnia instrumental, mas o que acaba chamando a atenção é justamente o poder de síntese das suas principais composições, bem menos complexas se comparadas com aquilo que o Dream Theater vinha fazendo até então.

A pesada “The Root Of All Evil” e as progressivas “Panic Attack” e “Never Enough” (ambas com uma pegada moderna à lá muse), assim como a cadenciada (e belíssima) “These Walls“, são os melhores momentos do disco, cujo resultado final pouco tem relação com as extensas “Sacrificed Sons” e “Octavarium“, que juntas contabilizam 34 minutos.

Bem recebido pela crítica e pelo público, mesmo que tenha torcido o nariz de alguns puristas, o oitavo trabalho de estúdio do Dream Theater é a prova de que a banda sempre foi inquieta e cheia de criatividade, pouco interessada em apenas repetir uma mesma fórmula em todos os seus álbuns.





Sobre o autor