Um Metal por Dia – Kamelot – Karma

Kamelot – Karma

O Kamelot, que desde 2012 conta com o vocalista Tommy Karevik, vivia um ótimo momento quando Roy Khan decidiu a deixar banda.

Ao lado do cantor norueguês, o grupo se firmou como um dos principais nomes do som pesado, com discos marcados por uma sonoridade complexa e quase sempre conceituais.

Misturando Heavy Tradicional, Power Metal e diversos elementos sinfônicos, o Kamelot já tinha uma certa fama, no mundo inteiro, quando o seu quinto trabalho de estúdio chegou às lojas, em 2001.

Karma“, produzido pelo mestre do Metal Melódico Sascha Paeth, é um álbum grandioso, maduro e que evidencia a competência criativa da banda. Com personalidade e sofisticação, o grupo norte-americano empolgou todos os seus fãs (e certamente conquistou outros tantos admiradores) com um trabalho que impressiona pela sua destreza técnica e pela versatilidade das suas composições.

Com um viés mais melódico, em que os riffs pesados não aparentam ser uma ambição, o Kamelot precisou só de três meses para conceber um dos seus repertórios mais potentes, com 12 faixas e pouco menos de uma hora de duração.

Composto inteiramente por Roy Khan em parceria com o guitarrista Thomas Youngblood, “Karma” apresenta músicas de muito impacto melódico, como “Forever“, “Wings Of Despair“, “The Spell” e “The Light I Shine On You“.

O disco, no entanto, ainda abre um espaço para incluir algumas baladas belíssimas, como “Don’t You Cry“, e canções que possuem uma pegada nitidamente mais progressiva, como são os casos da faixa-título e de “Requiem For The Innocent“.

Karma” é um disco imprescindível justamente por mostrar que o Heavy Metal não precisa de amarras.





Sobre o autor