Pâmela Amaro e convidadas falam sobre experiências de mulheres de terreiro na live do dia 13 de novembro

Em sua live mensal, ‘No Avesso do Samba’, a sambista gaúcha recebe as educadoras Dandara Dorneles (RS) e Roseane Mesquita (SE).

As próximas convidadas da live “No Avesso do Samba”, que a cantora Pâmela Amaro promove mensalmente no seu Instagram, são educadoras e pesquisadoras das comunidades tradicionais e periféricas. Dandara Dorneles é gaúcha e Roseane Mesquita é sergipana. Elas estarão conversando no dia 13 de novembrosábado, às 19h, sobre pesquisas e experiências de mulheres de terreiro (confira detalhes no “Serviço”).

No Avesso do Samba são lives de bate-papo em que a sambista Pâmela Amaro convida mulheres que são lideranças e referências dentro do universo da música, em diversas áreas como nas culturas populares, na produção musical, na pesquisa e na criação artística. Estes encontros “ao vivo” têm por objetivo enriquecer o processo criativo do disco “Samba às Avessas”, primeiro álbum autoral da cantora e compositora que tem patrocínio da Natura Musical, por meio da Lei Estadual de Incentivo (LIC). O projeto está em fase de gravação e tem previsão de lançamento em 2022.

PUBLICIDADE

A ideia de um samba às avessas trazida no contexto do novo disco consiste em (re)conhecer o samba a partir das narrativas trazidas pelo olhar das mulheres. O avesso é olhar pelo lado da matriarcalidade, significa ver pelo lado de dentro, ir a fundo à busca de mostrar o ponto que não se vê. Sendo assim, a cada dia 13, ela convida o público a conhecer trajetórias de mulheres que merecem ser cada vez mais valorizadas e reverenciadas pelos papeis que desenvolvem nas suas comunidades. 

O dia 13 é marcado pelo Dia da Sambista, aniversário de Dona Yvone Lara e, também, da sambista gaúcha Zilah Machado; dia de falar de samba com mulheres. Em sua primeira edição, Pâmela convidou a cantora e compositora Nilze Carvalho e a produtora cultural e jornalista Silvia Abreu; na segunda livre recebeu as jongueiras, Mestra Marcia Cunha e sua filha Luciana Carvalho. Em junho, conversou com as cantoras Glau Barros e Marietti Fialho; em agosto recebeu Sherol dos Santos e Fernanda Oliveira, do Coletivo Atinukés. Em setembro, a vez da atriz Vera Lopes e a professora Naiara Silveira foram as convidadas e em novembro foi a vez de Alma da Lívia e Rayra Maciel.

Sobre Pâmela Amaro

PUBLICIDADE

Pâmela Amaro é atriz, cantora, musicista, arte-educadora e compositora porto-alegrense. Nos últimos anos, tem se destacado como uma das vozes do samba no estado do RS, principalmente, a partir das composições que abordam temas variados, sempre positivando narrativas acerca das mulheres negras. Ativista cultural, toca cavaquinho, percussão e tem longo caminho na cena teatral elencando grupos como Usina do Trabalho do Ator (RS), Grupo Caixa Preta (RS), Turma do Pé Quente (RS), com atuação no cinema e em musicais. Integrou grupos musicais formados por mulheres musicistas, destes o mais atual é o grupo Três Marias. Em 2020, lançou seu primeiro EP solo, Veneno do Café, apresentando sua veia no samba de partido alto.  No mesmo ano, a artista foi contemplada pela Natura Musical para realizar a produção do seu primeiro álbum, Samba às Avessas, atualmente em fase gravação.   

Sobre as Convidadas:

Dandara R. Dorneles

PUBLICIDADE

Doutoranda e Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS. É membra do Grupo de Estudos Afro (GEAfro) do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos da UFRGS (NEAB-UFRGS), faz parte do Coletivo Atinúkẹ́ e é educadora/colaboradora nos projetos sociais do Ponto de Cultura Santa Bárbara, Canoas/RS. É organizadora e autora do livro “Reafirmando direitos: cotas, trajetórias e epistemologias negras e quilombolas” na Pós-Graduação. Possui pesquisa, experiência e atuação principalmente nos seguintes temas: educação e relações socioambientais de povos e comunidades tradicionais e periféricas; Educação e Biologia Marinha e Costeira, relações étnico-raciais e educação em ciências da natureza; povo de terreiro; educação e(m) terreiros; epistemologias negras.

Roseane Santos Mesquita – Ewa Fage ni Dan

Turismóloga, historiadora e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Sergipe com a dissertação “O saber oralmente tecido enquanto pedra fundante da educação de terreiro”, na qual analisa a autoexperiência da iniciação para o Òrìṣà, em 2015 no terreiro Abassá São Jorge localizado em Aracaju/SE. O processo de registo das informações foi pautado a partir de “escrevivências”, possibilitando a descrição das memórias dos atos, ensinamentos, cantos e rezas, pertinente ao processo de iniciação para o Òrìṣà. É Técnica em Eletrônica pela Escola Técnica Federal de Sergipe, Tecnólogo em Gestão de Turismo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe. Pós-graduada em Educação em Gênero e Direitos Humanos.  É doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Sergipe.

PUBLICIDADE

Acesse os canais de comunicação da artista e acompanhe os episódios:
Instagramhttps://www.instagram.com/apamelaamaro
Facebookhttps://www.facebook.com/apamelaamaro 
YouTubehttps://www.youtube.com/c/APamelaAmaro

SERVIÇO:

O Quê: LIVE “NO AVESSO DO SAMBA”. Pâmela Amaro convida a educadora Dandara Dorneles e a turismóloga e historiadora Roseane Santos Mesquita 
Data: 13 de novembro de 2021, sábado
Hora: 19h
Local: Instagram @apamelaamaro
Gênero: MPB | Classificação etária: Livre

PUBLICIDADE

Assessoria de Imprensa:
Silvia Mara Abreu

PUBLICIDADE