Drakkar – Gemini (Um Metal por Dia)

Drakkar – Gemini

Inspirado pelas postagens temáticas de metal italiano do Metal Legacy Podcast, o Um Metal Por Dia explora hoje uma das bandas daquele país que melhor se saíram no mercado brasileiro, lá no início dos anos 2000.

Trazido para cá pelo selo Rock Brigade Records, o Drakkar surgiu em milão, em 1995, e aproveitou o boom do metal melódico na europa para apostar também as suas fichas no gênero, numa carreira que, infelizmente, nunca conseguiu decolar de verdade.

Mesmo assim, “Gemini“, lançado em 2001, é um dos discos mais interessantes do grupo, que executa um Power Metal direto, com algumas poucas orquestrações, outras influências pontuais do Hard Rock e uma absurda sinceridade.

Marcando a despedida do apenas razoável vocalista Luca Cappellari, que abandonou o Drakkar logo após o registro chegar às lojas mundo afora, “Gemini” não teve a pretensão de fugir das fórmulas pré-estabelecidas do estilo, mas conseguiu conquistar alguns novos fãs para a banda, especialmente no Brasil.

Com composições rápidas, cheias de refrãos grudentos e empolgantes, o grupo compreendeu as suas limitações e soube ir pelos atalhos, sem soar como um Rhapsody de baixo orçamento.

Eridan Falls“, disparado o principal destaque da obra, abre o álbum em grande estilo, com um instrumental bem trabalhado. Um tanto quanto instável em estúdio, a banda se perdeu um pouco na sequência do repertório, mas acertou a mão quando tentou dar viés mais épico e complexo às suas músicas, como são os casos de “The Voice Of The Mind” e “Dragonship“.

Apesar de algumas escorregadas, fruto da inexperiência de um grupo que ainda dava os seus primeiros passos, dá para perceber nitidamente – ao longo de quase uma hora – como o Drakkar faz um Heavy Metal com o coração e com muita paixão ao estilo.





Sobre o autor