King Diamond – Fatal Portrait (Um Metal por Dia)

King Diamond – Fatal Portrait

Mesmo que muitos não apreciem os falsetes de King Diamond (assim como eu), o vocalista é, indiscutivelmente, uma das maiores personalidades do Heavy Metal de todos os tempos.

Ao lado do Mercyful Fate, o cantor trouxe as histórias de terror e os elementos cênicos para dentro do som pesado, influenciando toda uma geração, especialmente aquela que criaria o Black Metal nos anos 90.

Se a sua banda tem uma carreira instável, a trajetória solo do músico dinamarquês, por outro lado, é firme e dá continuidade à proposta artística iniciada em 1981, com pouquíssimas variações na sua fórmula. Com a companhia de instrumentistas talentosos, como o guitarrista Andy La Rocque e o baterista Mikkey Dee (que depois iria para o Motorhead), mais os ex-parceiros Michael Denner e Timi Hansen, King Diamond soltou o seu primeiro disco solo, “Fatal Portrait“, em 1986.

O álbum, que não tem o mesmo status célebre de “Abigail“, é bom, às vezes esquecido, e conta com um repertório versátil, direto e com guitarras inspiradas. “The Candle” e “The Jonah” abrem o registro em grande estilo, mas é com o hit “Halloween” que tudo parece se encaixar, num disco que teve o seu título fazendo uma referência ao livro “O Retrato de Dorian Gray“, de Oscar Wilde.

Quem gosta de colecionar e de ir além do streaming deve ficar atento. A Hellion Records está lançando quase toda a discografia do King Diamond e do Mercyful Fate numa belíssima edição em cd, que imita um disco de vinil.

Vale muito a pena conhecer.





Sobre o autor