“Microscópicos Ritmos de uma Máquina de Escrever”, álbum de Biba Meira, terá lançamento dia 01/10

Com participações especiais como Negra Jaque, Gutcha Ramil, DeFallaNina NicolaiewskyJulia Pianta, Luís Nenung e Arthur de Faria, entre outros, o disco é um lançamento Ímã Records

Microscópicos Ritmos de uma Máquina de Escrever, o novo álbum de Biba Meira, produzido por ela e por Edo Portugal, nasceu em uma noite de insônia na pandemia. Nele, Biba Meira põe em prática a criação e gravação de composições melódicas e rítmicas, tendo como elementos principais uma máquina de escrever e sons percussivos e ruídos da cidade.

Foi algo totalmente instintivo e motivado por ideias criativas envolvendo sons variados da cidade, instrumentos musicais e uma máquina de escrever. Para compor as músicas do EP, convidei diversas musicistas, músicos e videomakers que se uniram como parceiros na criação das obras e produção dos vídeos“, afirma a baterista, importante figura da cena local, integrante da fundamental banda DeFalla, e atualmente à frente de um dos projetos mais bacanas no sul do Brasil: As Batucas – Orquestra Feminina de bateria e Percussão.

PUBLICIDADE

O novo disco é um trabalho autoral de Biba Meira, que conta com a parceria de vários artistas da cidade que toparam o desafio proposto por ela em mais um de seus criativos projetos.

Edu K, Flávio Santos e Castor Daudt (parceiros no DeFalla), Diego Dias, Miriã Farias, Samara Moraes, Negra Jaque, Gutcha Ramil, Dessa Ferreira, Dejeane Arruèe, Luciano Albo, Carlos Stein e Veco Marques, se uniram aos artistas que gravaram a primeira leva de músicas que somam no disco, entre eles, Marcelo Fornazier, Nina Nicolaiewsky, Julia Pianta, Raquel Pianta, Luís Nenung, Marcelo Granja, Arthur de Faria e Daniela Garcia.

Os vídeos têm as assinaturas de Rogério Brasil Ferrari, Lisi Kieling, Eduardo Christofoli, Alexandre Birck entre outros.

PUBLICIDADE

As bases das músicas foram criadas no estúdio caseiro de Biba Meira, que, com a pandemia, se viu obrigada a aprender a gravar. Utilizando a máquina de escrever e outros instrumentos percussivos, além de sons da cidade que foram captados ao ar livre nas redondezas, as bases foram surgindo em sons de galopes dos cavalos, montanha russa do Parquinho, elevador do edifício, carros, papagaios do parque. A partir desse processo, as bases eram entregues aos convidados, que finalizavam as composições com total liberdade de criação.  Muitas gravações foram feitas no próprio celular dos compositores. Depois de prontas, essas gravações voltavam para Biba Meira, que finalizava com o Edo Portugal, responsável também pelas mixagens e masterizações.  

O EP é um lançamento da Ímã Records, selo que lança seu segundo disco em 2021.

Confira alguns dos trabalhos:

PUBLICIDADE




SERVIÇO:

Microscópicos Ritmos de uma Máquina de Escrever

Dia 01 de outubro nas plataformas digitais

PUBLICIDADE

Assessoria de imprensa:
Bebê Baumgarten Comunicação

Foto:
Julia Pianta

PUBLICIDADE