Grupo Remendola de Chave fecha a programação de abril do Projeto Mistura Fina

Crédito: Biloredo Photos

O grupo Remendola de Chave fecha a programação de abril do Projeto Mistura Fina. Com apresentação marcada para o dia 29, Diego Silveira e Paulo Bergmann levam ao palco virtual do projeto as diversas possibilidades que existem na fronteira entre a música de concerto e a música experimental

Inspirado no instrumento que é antecessor da pianola, do realejo, do sequenciador e do loop, o nome do grupo já revela a experiência que será vivenciada pelo público durante a apresentação. O som da remendola é produzido por dois grupos de materiais distintos: tubos de madeira com palhetas (por onde passa uma corrente de ar) e barras de metal (percutidas por martelos). Diego e Paulo vão apresentar músicas feitas da mistura desses fragmentos sonoros, filtradas no piano e no computador. Entre elas, estão Lamento de chave (Fabrício Gambogi e Diego Faskner Silveira), Não se get (Diego Faskner Silveira) e Ser boi remendolá (Mauricio Pereira e Remendola de Chave).

Em seus quatro anos de existência, o grupo Remendola de Chave já se apresentou em diversos circuitos universitários (UFSM, IF/RS, Unipampa, UCS, Fundarte/Uergs) e em projetos de músicas de concerto e experimental. Entre eles, estão Desconcerto, Quintas Musicais no Instituto Goethe, Música no Museu Margs/Ospa e Ospa Live.

Sobre Diego Faskner Silveira

PUBLICIDADE

Estudou Composição Musical na Ufrgs (da gradação ao doutorado). De 1998 a 2016, participou dos grupos Relógios de Frederico, Faskner e Sinuca de Bico. Participou do Itaú Rumos Culturais e da XVI Bienal de Música Brasileira Contemporânea em 2005. De 2008 a 2013, dirigiu o Grupo de Música Contemporânea de Porto Alegre.

Em 2018, lançou os álbuns Bomspeto (AMP-Recs – México), Fragmomento (CPRecords – Argentina) e Guitalão Fasknéllico (Alsandrecs – Brasil). No mesmo ano, três peças suas foram estreadas: Barril Te Vas, para trompete; Conferência Esteirassâmbica, para caixa, e Fragmofasknedley, para banda sinfônica.

Em 2020, Diego lançou um álbum da sua residência no Centro Cultural Vila Flores (além de um blog com vídeos e colagens), o álbum Revery Daynce Ostinavangarto (Eg0cide – França) e o álbum Cimento Tarantela com Guilherme Darisbo (Antena – Brasil). Diego integra o grupo Remendola de Chave e possui o projeto de arte sonora Devolussom.

PUBLICIDADE

Sobre Paulo Bergmann

É professor de piano no curso de graduação em Música – Licenciatura da Uergs. Natural de Bagé (RS), formou-se em 1993 no curso de bacharelado em Música e tem especialização em Piano pela Ufrgs. Tem colaborado em concertos com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa), Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro, Orquestra de Câmara da Ulbra, Orquestra de Câmara Sesi/Fundarte (Montenegro), Orquestra da Unisinos e Orquestra de Câmara da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Em 1996 e 1997, foi professor substituto de Teclado Complementar e Harmonia na Ufrgs. Entre 2003 e 2005, foi professor da Unisinos (São Leopoldo), onde atuou no projeto Sinos Acorda e junto à orquestra da instituição. Entre 2008 e 2012, atuou como pianista do coro sinfônico e da Orquestra Filarmônica da PUCRS. Entre 2015 e 2018, foi pianista do coro sinfônico da Ospa.

PUBLICIDADE

SERVIÇO:
Remendola de Chave, com Diego Silveira e Paulo Bergmann, no MISTURA FINA
Dia 29 de abril de 2021, quinta-feira, a partir das 18h30min
Facebook: https://www.facebook.com/misturafinamusica
Gênero: Livre | Classificação etária: Livre

Informações para a imprensa:
Silvia Abreu

PUBLICIDADE