Após o lançamento do single “Metade da Laranja é só o Bagaço” em julho deste ano, a cantora e compositora Mariana Bavaresco, se prepara para o lançamento do clipe da canção que já alcançou 30 mil plays no Spotify.

A data escolhida para a divulgação é 31 de outubro, exatamente um ano após o lançamento do primeiro clipe da cantora, que assumiu o pseudônimo de Ella.

Gravado durante o isolamento social, a estética visual do clipe conta com cenários e acessórios em tons de laranja, assim como o figurino de Ella, que apresenta suas diferentes facetas ao longo do vídeo.

Meu primeiro clipe era pra apresentar o meu projeto, envolver e movimentar mulheres. Agora eu pude mostrar também quem é a Mariana. Foi um clipe bem quarentena. Eu mesma comprei os tecidos e organizei os objetos de cena junto com Gabriela, diretora“, explica, destacando que a produção contou com uma equipe 80% feminina. “Éramos em seis no set de filmagem“, diz.

Sobre o single:

Com influências de R&B e Neo Soul contemporâneos, Metade da Laranja é só o Bagaço ainda une jazz e MPB, duas das paixões de Ella, explorando também referências brasileiras.

Produzido pela também cantora Bibiana Petek, a música carrega uma temática de autoconhecimento e dilemas que todos nós enfrentamos no nosso dia a dia. Para Ella, esse papo de “Metade da laranja” e complementar outra pessoa, além de raso, já foi muito citado em canções.

Então a cantora resolveu, com um toque de ironia, transformar essa insatisfação em uma música: “Tá na hora de falar das pessoas como inteiras, estimulá-las a trabalhar com conceitos mais profundos de relacionamento, entendendo que esses relacionamentos começam por um processo de autoconhecimento e amor próprio para internalizar que ser inteiro, estar inteiro, se sentir inteiro é um conceito emocional, psicológico e, sobretudo, pessoal. Ninguém se complementa. Eu não quero o bagaço de ninguém. As pessoas se transbordam, se relacionam, trocam experiências“, diz a cantora.

Sobre Ella:

A Mariana Bavaresco de quatro anos de idade já queria ser cantora. Na adolescência começou a criar. Misturou as referências como samba de raíz que ouviu na família com o jazz e soul que acalmava seu coração, mas ainda não tinha encontrado sua própria identidade. Aos 15 anos escrevia suas próprias poesias, suas letras. Nas rodas de slam descobriu um lugar acolhedor para se expressar e experimentar. Descobriu também o novo R&B que assim como ela, mistura vários estilos. Artistas como IZA, Liniker, H.E.R e Jorja Smith são referências dessa geração.

making off do vídeo já está disponível no canal da Loop Discos

Ficha Técnica:
Direção: Gabriela Barth
Assistente de direção: Amanda Borges
Produção fonográfica: Bibiana Petek
Produção executiva: Loop Discos e Voo Conteúdo
Fotos: Amanda Borges

0