Donavon Frankenreiter, um dos nomes que melhor representam a surf music, retornou ao Brasil, no início de 2020, para uma nova sequência de shows pelo nosso país.

O cantor norte-americano, que por muito tempo se dedicou às pranchas e ao mar de maneira profissional, subiu ao palco do Opinião, no dia 7 de janeiro, para animar os presentes com uma apresentação da ousada The Record Player Tour, em que ele o seu parceiro de longa data, o multi-instrumentista Matt Grundy, lado a lado, com uma vitrola posicionada entre eles, soltando a agulha sobre os LP’s como se fosse uma banda em ação.

O californiano Donavon Frankenreiter, além de surfista profissional, é um músico de grande sucesso no mundo inteiro. Ele começou tocando com a banda Peanut Butter and Jam, em 1990, quando tinha 18 anos de idade. A empreitada, que não era a sua prioridade como era o esporte, virou coisa séria em 1996, quando ele formou um novo grupo, chamado Sunchild. Atuando somente como guitarrista e tendo como influência o southern rock norte-americano dos anos 70, a banda lançou três discos até encerrar as atividades, em 2001.

Pronto para iniciar a sua carreira solo, Donavon assinou um contrato com a gravadora Brushfire Records, em 2002, para gravar o seu primeiro disco individual. Produzido pelo amigo Jack Johnson em parceria com o brasileiro Mario Caldato Jr., chegou às lojas em 2004. Impulsionado pelo single “Free”, um dos seus maiores hits até hoje, o álbum entrou no Top 200 da Billboard e no Top 40 da ARIA, com mais de 35 mil cópias vendidas somente na Austrália.

O segundo trabalho do cantor, “Move by Yourself”, foi lançado em 2006. Na sequência, vieram a primeira turnê pelo Brasil, realizada em 2007, e o DVD ao vivo “Donavon Frankenreiter: The Abbey Road Sessions”, registrado durante um show especial no lendário estúdio inglês.

Realização: Opinião Produtora

Foto: Alex Vitola / @alexvitola

Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução sem autorização.